Autor Tópico: O Último Samurai  (Lida 658 vezes)

Offline BigBoy

  • Hero Member
  • *****
  • Mensagens: 2.237
  • Votos: +1/-0
O Último Samurai
« Online: Junho 15, 2013, 22:38:03 »
   Sapeando pelos fóruns do UOL lá em 2000/2001, encontrei uma seção chamada "Artes Marciais" com subseções de kung fu, judo, capoeira, entre outras, além de uma chamada de "karatê".

   Ali postavam com frequência algumas pessoas cujos nicks eram "Eduardo Chueri", "karateca", ..., "BigBoy" e um outro, chamado "Gustavo-RJ". Seguramente estou cometendo algum tipo de injustiça. Devia haver outros participantes, também com posts frequentes, mas confesso que não lembro dos nicks.

   Em tal subseção, cada um comentava alguma coisa. Eu, parado com o karatê, cheguei provocando o pessoal e, o tal "Gustavo-RJ" retrucou, invocado.

   Da treta, surgiu uma amizade virtual, o povo conversava futilidades, sem exatamente entrar na seara específica de kihon/kata/kumite.

   Papo vai, papo vem, o tal "Gustavo-RJ" começou a animar-se e comentou sobre um trote que foi dar na Lagoa Rodrigo de Freitas (fica na capital, Rio de Janeiro, +/- uns 7 km de perímetro). Correu e disse que estava a fim de voltar pro karatê e pegar a preta (era marrom) com seu mestre, um tal de Takeuchi.

   Animado com a movimentação propus um encontro. E enrola daqui, enrola de lá, nada saiu. Mas gerou uma reação negativa. Havia gente criticando o absurdo de nos encontrarmos para lutar, blá, blá e blá. Sempre haverá haters...

   Em meio ao vai-e-vem, um tal de Renê entrou na subseção e pediu para que visitássemos um novo site de karatê, o www.karateca.net

   Visitando aqui, pois não é que o tal do Gustavo já tinha se inscrito aqui? Havia um tiozão (para nós era tiozão) chamado Netto110 que era extremamente zen. Havia o kaleo, o máscaras, o Sakuraba, o kaleo, o cuca, o Glauco-SP (ele usava outro nick) e a diversão corria solta. De repente chega um cara, com o avatar do charada do Batman, terrível. O cara ao mesmo tempo sacaneava todo mundo, mas conhecia karatê. Era impossível lidar com ele, pois ele conhecia mais karatê que a gente e mesmo assim era malvadão, um tal de katsumoto...
   Os anos se passaram e depois observei outros nicks: Pedro (HapliKomo sei lá o que), Avi, Troyman, Higino, Farkatt, VinteeDois, entre outros, grandes colaboradores.
   O ápice ocorreu com o 1o encontro do karateca.net, sempre lembrado por nosso hour concour sensei Lezon.

   E o tal do Gustavo sempre presente em cada um destes eventos.

   E o tempo passou e o resto é história, facilmente recuperável nos posts deste site.

   Mas o que as pessoas não sabem é que esse tal de "Gustavo-RJ" ainda guarda conexões com um karatê abissal, um karatê de rua.

   Anos e anos depois, num encontro, assisti ao cidadão ensinar o gueaku andante, o qual eu imaginava ser uma tremenda gozação. Dei com a cara no chão. Daquele momento em diante aprendi a me lembrar que quem interrompe o ataque é o juiz. Ikken hissatsu é a $%&! queos pariu.
 
   Outro ensinamento do cidadão: quando alguém avança atacando-lhe o que você faz? Prepara a guarda? Por quê? Por que você não o ataca também? O que vai acontecer? Você poderá receber um golpe. Mas também aplicará outro golpe.
   Essa maluquice lembrou-me o katsumoto (agora do filme "O Último Samurai") avançando a cavalo e com espadas contra as metralhadoras que os japoneses bundões receberam dos gringos. É esse karatê, que está na mente da gente, superior às nossas limitações físicas, que ele programa a cabeça da gente.
   Foi quando eu aprendi, de uma vez por todas, o que eu sempre persegui e não sabia expressar com palavras. Não interessa o resultado da luta. Não interessa saber se você ganhou ou perdeu. Interessa saber se você deu, pelo menos, aquela porrada que você queria dar. Do jeito que você queria acertar.
   Traduzindo pro popular de vila: o filho chega em casa e confessa "pai, vão ligar lá da escola porque eu briguei"; "você bateu ou apanhou?", pergunta o pai; "apanhei", responde o filho; "mas deu porrada também e não amarelou?", retruca o pai; "foi... quebrei o nariz dele", responde novamente o filho; "então deixa comigo", finaliza o pai.

   Às vezes a gente comenta sobre técnicos, sobre pessoas pra darem dicas na hora da luta, mas pouco sabem que, no momento do embate, o mais importante é o emocional. É no que o lutador está pensando. E, nesse ponto, o Gustavão poderia estar milionário com MMA atualmente.

   Por isso tudo eu concedo o título de "O Último Samurai" ao nosso moderador, coringa em qualquer grupo, amigo e irmão, GUSTAVÃO.

ps: Salton Cabernet Sauvignon... vou ter de voltar aqui amanhã pra ver se escrevi besteiras demais.

[]´s
BigBoy

Offline Gustavo-RJ

  • Global Moderator
  • Hero Member
  • *****
  • Mensagens: 2.468
  • Votos: +4/-2
Re:O Último Samurai
« Resposta #1 Online: Junho 16, 2013, 10:02:38 »
Hahahaha, claro que escreveu Big.

Eu sou um karateca mediano, apenas tive a oportunidade de treinar e conhecer grandes ícones da época de ouro.

Esse site me deu o prazer e honra de conhecer um D'Elia (o cara que fazia frente ao Ronaldão), um Ennio, um Jacaré, um Robson sem falar em todos os colegas do forum inclusive você. Fui parar até num Mundial de karate na Yugoslavia com o Katsumoto. Aprendi muito aqui, inclusive até lutei com gente que tem um karate CBK muito bom como os Senseis Estivales e Marascas, passei até a respeitar um pouquinho aquele estilo de $%&!. Rs.

Dos que conheci aqui, não me decepcionei com ninguém. Só temos de resgatar o Netto e o Rene, sumiram mesmo.

Continuo achando que karate não tem defesa se o ataque for bom, então vamos investir no ataque. Andar pra frente é uma $%&! vantagem contra alguém que esta andando para trás.

Vou te contar um segredo, comecei a me prepara para pegar o 2o Dan com o Athayde, afinal ele foi  e é meu professor por décadas. Takeuchi iria aprovar.

Hoje vou começar a correr na Lagoa.

Forte abraço garoto.
"Ai se eu te pego, ai, ai."
Gustavo-RJ

Offline BigBoy

  • Hero Member
  • *****
  • Mensagens: 2.237
  • Votos: +1/-0
Re:O Último Samurai
« Resposta #2 Online: Junho 16, 2013, 11:48:38 »
   Eu vou correr hoje também. A vantagem de cidade grande é essa. Há clube pra qualquer tipo de louco.  A academia fecha às seis e sempre tem esteira sobrando.