Autor Tópico: Contos Zen  (Lida 2913 vezes)

marascas

  • Visitante
Contos Zen
« Online: Agosto 16, 2006, 01:13:55 »
Contos Zen 15/08/2006 21:03
Somente de Passagem

Conta-se que, no século passado, um turista americano no Oriente, com o objetivo de visitar um famoso sábio. O turista ficou surpreso ao ver que o sábio morava num quartinho muito simples e cheio de livros. As únicas peças de mobília eram uma cama, uma mesa e um banco."Onde estão os seus móveis?" - perguntou o turista.
"Os meus??" - surpreendeu-se e perguntou também:"E onde estão os seus...?"."Os meus??" - surpreendeu-se o turista. "Eu estou aqui só de passagem!".
"E eu também." - concluiu o sábio.

A vida na Terra é somente uma passagem... No entanto, alguns vivem como se fossem ficar aqui eternamentee se esquecem de ser feliz.

(autor desconhecido)

Offline yama

  • Hero Member
  • *****
  • Mensagens: 4.615
  • Votos: +11/-0
Contos Zen
« Resposta #1 Online: Agosto 16, 2006, 06:39:58 »
Profundo

quem sabe deixemos algumas mesquinharias e frescuras, e vamos viver um pouco melhor com o que já temos.

Oss
alberto/Santos.
yama-Alberto S. Almeida

Offline mauross

  • Hero Member
  • *****
  • Mensagens: 696
  • Votos: +0/-0
Contos Zen
« Resposta #2 Online: Agosto 16, 2006, 09:20:12 »
o $%&! é que sabemos disso.
"Dessa vida nada levaremos",
 mais esse mundo capitalista sempre fode tudo...

sempre queremos mais coisa e nunca conseguimos vive com o minimo necessário....
oss!
Uma vassoura velha tem o seu valor.

Offline RENGO-KAI

  • Sr. Member
  • ****
  • Mensagens: 387
  • Votos: +0/-0
Contos Zen
« Resposta #3 Online: Agosto 16, 2006, 09:34:29 »
A Certeza e a Dúvida

Buda estava reunido com seus discípulos certa manhã, quando um homem se aproximou:
- Existe Deus? - perguntou.
- Existe - respondeu Buda.
Depois do almoço, aproximou-se outro homem.
- Existe Deus? - quis saber.
- Não, não existe - disse Buda.
No final da tarde, um terceiro homem fez a mesma pergunta:
- Existe Deus?
- Você terá que descobrir - respondeu Buda.
Assim que o homem foi embora, um discípulo comentou, revoltado:
- Mestre, que absurdo! Como o Senhor dá respostas diferentes para a mesma pergunta?
- Porque são pessoas diferentes, e cada um chegará à resposta por seu próprio caminho. O primeiro acreditará em minha palavra. O segundo fará tudo para provar que estou errado. E o terceiro só acredita naquilo que é capaz de provar por si mesmo.

Offline RENGO-KAI

  • Sr. Member
  • ****
  • Mensagens: 387
  • Votos: +0/-0
Contos Zen
« Resposta #4 Online: Agosto 16, 2006, 09:35:48 »
Pontos de Vista


Existia um mosteiro Zen, conduzido por dois irmãos. O mais velho era muito sábio, e o mais novo, ao contrário, era tolo e tinha apenas um olho. Para um forasteiro conseguir hospedagem por uma noite nesse mosteiro, tinha de vencer um dos monges em um debate sobre o Zen.
Uma noite, um forasteiro foi pedir asilo. Como o velho monge estava cansado, mandou o mais novo confrontar-se com ele, com a recomendação de que o debate fosse em silêncio. Dessa forma, o monge tolo não cometeria enganos.
Algum tempo depois, o viajante entrou na sala do sábio monge e disse: "Que homem sábio é o seu irmão! Conseguiu vencer-me no debate e, por isso, devo ir-me".
O velho monge, intrigado, perguntou: "O que aconteceu?"
E escutou a resposta: "Primeiramente, ergui um dedo simbolizando Buda, e seu irmão levantou dois simbolizando Buda e seus ensinamentos. Então, ergui três dedos para representar Buda, seus ensinamentos e seus discípulos, e meu inteligente interlocutor sacudiu o punho cerrado, à minha frente, para indicar que todos os três vêm de uma única realização".
Pouco depois, entra o monge tolo, muito aborrecido, e é saudado pelo irmão, que lhe perguntou o motivo de sua chateação. E o caolho respondeu: "Esse viajante é muito rude. No momento em que me viu, levantou um dedo, insultando-me, indicando que tenho apenas um olho. Mas, como ele era visitante, eu não quis responder à ofensa e ergui dois dedos, parabenizando-o por ele ter dois olhos. E o miserável levantou três dedos, para mostrar que nós dois juntos tínhamos três olhos. Então fiquei furioso e ameacei dar-lhe um soco, com o punho cerrado. E, assim, ele foi embora".