Autor Tópico: Tommy Morris- O homem que moldou o karate esportivo moderno  (Lida 2800 vezes)

Offline jion

  • Jr. Member
  • **
  • Mensagens: 99
  • Votos: +3/-2
Tommy Morris- O homem que moldou o karate esportivo moderno
« Online: Agosto 15, 2008, 14:23:12 »
 Tommy Morris possui atualmente o 8 º Dan de karatê Shito Ryu, conferido pela WKF. É um dos primeiros treinadores profissionais de Karatê. Ele é o Comissário de Esporte e presidente do Conselho de árbitros da WKF, entidade que possui mais de 170 países filiados. Por vinte e cinco anos, ele treinou karatê em Glasgow com uma série de dojos filiados em toda a Escócia. Desde 1965 ele tem treinado mais de 75000 pessoas. Seu nome aparece no livro Guinness, aquele dos Recordes.


É conhecido por ganhar numerosos títulos estudantis escoceses, britânicos, europeu, e até mundial, todos conquistados pelo seu "Osaka Kobe dojos". Ele também é bem conhecido como um instrutor de auto-defesa armados e desarmados, que ensina para policiais, militares das forças armadas, executivos e pessoas comuns. Ele também é instrutor de armas táticas para as Forças Especiais do Reino Unido. Tommy fundou a "Kobe Osaka International", em 1991, e agora tem de parceiros associados em 35 países.


Tommy Morris é o homem creditado por ser o criador da atual regras da WKF. Sem um conhecimento profundo das regras, o treinador será incapaz de conceber uma boa estratégia de formação para atletas ou para desenvolver suas táticas adequadas. No entanto, para além de um conhecimento do oponente do atleta pontos fortes e fracos, um conhecimento das capacidades do árbitro, embora talvez mais difícil de obter, também pode ser de uma importância considerável.


Não podemos medir a performance do atleta de karatê por temporizadores eletrônicos, aparelhos de medição, ou de outros meios, tais como redes, metas ou obstáculos. Em vez disso, utilizamos a subjetividade de árbitros e juízes. Boa sentença dependente do conhecimento, experiência, e os processos de decisão dos árbitros podem ser afetados por stress, fadiga e falta de concentração. O bom treinador terá conhecimento destas influências e aconselhará o seu concorrente em conformidade. No Site theshotokanway.com há uma entrevista com o Sensei falando sobre karatê desportivo e suas regras transcrita a seguir.


Sarah Amos: Você pensa que suas experiências no judo e no Jujitsu deu-lhe uma vantagem quando veio a começar praticar o Karatê?
TOMMY MORRIS: Sim, eu acredito que fez, principalmente no equilíbrio de bases e na compreensão do hara. Era igualmente uma grande ajuda no jiyu-kumite porque quase qualquer técnica você poderia usar naqueles dias. Era especialmente útil quando eu fui a Japão em 1967. Surpreendeu-me como pôde parecer não muita karateca japonês era familiar com as técnicas de arremessos naquele tempo.

Sarah Amos: De acordo com sua biografia, você começou a aprender o Karatê dos livros. Que tipo dos livros você leu, e você pensa que o uso de uma leitura previa e longa teve algum efeito em seu treinamento físico?
TOMMY MORRIS: Eu encontrei um livro do Sensei Nishiyama, o “Karatê, a arte das mãos vazias”. Minha esposa comprou para mim como um presente de Natal e aquele livro transformou-se na fundação da minha aprendizagem. Eu aprendi o Karatê desse livro e de outro qual veio num curto período de tempo mais tarde. Um destes era “Karatê ” por H.D. Plee em Paris. Esse mudaria minha vida, embora eu não o soubesse então.

Sarah Amos: Você é creditado como sendo uma das principais pessoas responsáveis pelo desenvolvimento das regras de competição atuais do Karatê WKF. Eu imagino que este foi um trabalho difícil e desafiante. Qual foi a parte a mais dura deste processo?
TOMMY MORRIS: Bem eu posso reivindicar a responsabilidade por isso. Em 1977 quando eu fui apontado para o Conselho de Árbitros da WUKO (como era chamado a WKF então) eu fui feito presidente do comitê da revisão das regras.
David Mitchell fez a maioria da reescrita das regras de competição da WUKO em 1984 juntamente comigo, e muito pouco foi mudado durante os 15 anos seguintes.
Houve muitas novas idéias vindas dos vários povos na federação européia do Karatê sobre mudanças das regras nos anos noventa, mas nada aconteceu.
Eu estava em um quarto de hotel no Kuwait ou em algum lugar em 1996 e assistia a um programa de esportes na TV. Havia varias reportagens interessantes e emocionantes que estavam sendo mostradas, mas nenhuma de Karatê.
Eu comecei perguntar-me porque, e percebi que o Karatê Esporte simplesmente não era um esporte atraente ao espectador; um grande esporte para o participante mas não para o público geral.
Era diferente no princípio em que o Karatê era novo, mas é simplesmente difícil fazer as pessoas se interessar e prestar atenção num esporte que estivesse composto principalmente de dois concorrentes que tentam pontuar desde o começo da luta somente com Gyaku zuki. Se o Karatê quisesse ser aceito como um esporte olímpico, muitas coisas teriam que mudar
Embora eu tentasse, o presidente Jacques Delcourt não estava interessado em nenhuma mudanças; era somente quando eu encontrei Antonio Espinos e se transformou o presidente que as coisas começaram mover. Eu elaborei as primeiras propostas em 1997 e sou aqui um extrato do papel.
“Este original é apresentado como uma base para a discussão, no desenvolvimento futuro da competição do Karatê da EKU e de FMK. Seu alvo é aumentar a apelação do esporte aos meios, e o público, assim como aos concorrentes e os oficiais.
Nós precisamos desenvolver o Karatê como um esporte. A competição precisa de ser espetacular, desafiando, excitando, e compreensível. Nós precisamos mudar as regras para enfatizar os aspectos positivos do esporte e para reduzir a disposição desconcertante de penalidades. Nós precisamos incentivar os concorrentes para usar as técnicas que são mais espetaculares, e recompensá-las. Nós precisamos introduzir o treinamento estruturado dos árbitros, não somente para os novos candidatos, mas igualmente para os mais experientes em como tratar as situações específicas que ocorrem na competição.
O Karatê tornou-se imensamente popular no mundo todo como um esporte, e é considerado já não unicamente como um método da luta aliado ao Budismo Zen. Nós estamos, entretanto, sofrendo as limitações impostas em nós pela tradição, e por nossa incapacidade de separar a “arte marcial” do “esporte”.
Até que nós façamos isso, nós limitamos nossas possibilidades de fazer um progresso significativo tornar o Karatê empolgante para o espectador e um esporte olímpico.”
Infelizmente eu não consegui todas as mudanças que eu queria e o pacote final era mais complicado e menos eficaz do que eu tinha esperado, mas eu acredito que as regras são muito melhor do que antes. Nós estamos vendo que uma variedade muito maior de técnica que está sendo usada e as táticas mudaram muito conseqüentemente. Antes das regras mudarem: um competidor que conseguisse dois ou três pontos e com somente os segundos a seguir já tinha assegurado a sua vitória, mas agora não. A habilidade de marcar três pontos com uma técnica conduziu a muitas reviravoltas na luta.
Eu estava muito feliz que minha proposta em incluir Bunkai nos finais de Kata Equipe foi aceita revitalizando a competição do kata equipe, foi um sucesso de tal modo que a WKF introduziu Bunkai para disputa de terceiro lugar igualmente.

Sarah Amos: Infelizmente, as regras de competição atuais da WKF passaram muitas impressões negativas, começou sendo responsabilizada por alguns "como falta da atitude de Budo" nos competidores de hoje. Como você responderia àqueles que se prendem a esta opinião?
TOMMY MORRIS: Se há impressão negativa então eu penso que seria mais justo dizer “na impressão do Shotokan” porque essa não é a reação na maioria das federações nacionais da WKF.
Porém eu compreendo que as pessoas estão dizendo, e eu tendo a concordar, mas é discutível que o esporte moderno do Karatê e os princípios de Budo são compatíveis em todo caso.

Sarah Amos: O que da regra atual mudou durante estes últimos anos e você sente que teve grande efeito positivo em competições?
TOMMY MORRIS:A competição do Karatê tornou-se uma disputa de Gyaku Zuki e Kizami Tsuki, notou isso ? O público em geral ficou afastado e permaneceu afastado sem interesse em assistir. A solução do problema ocorreu-me enquanto eu prestei atenção a esse programa de esportes. O Karatê tem uma riqueza de técnicas, mas como poderíamos usá-las com o sistema o velho sistema de pontuação? O conceito do ippon era o problema. Desde que a contagem a mais alta para toda a técnica era ippon, não fazia nenhum sentido tentar qualquer coisa mais espetacular do que o tsuki ou gyaku zuki ou mae geri. Todos sabem que marcar um ponto com mawashi geri jodan é muito mais difícil do que marcar com Gyaku zuki ou Mae geri Chudan, assim porque devem as recompensas e pontuação ser as mesmas? Um estivador não recebe o mesmo pagamento que um neuro cirurgião. Três pontos para as técnicas mais difíceis e um ponto para as técnicas mais simples parecem razoáveis para mim. Sim, eu ouvi o argumento em defesa do ippon que “você não pode matar qualquer um mais de uma vez”. Desculpe-me; nós estamos falando sobre um jogo esportivo. Se qualquer KARATKA acredita realmente que o karatê esporte ou o karatê no dojô são o mesmo que o combate real, está tristemente confundido. Eu cacei homens armados que igualmente me caçavam, se você pensa que aquilo é o mesmo que a competição de Karatê faça uma tentativa, vá em frente.

Sarah Amos: Que mudança da regra criou dificuldades, do ponto de vista de um árbitro?
TOMMY MORRIS: Tendo três juízes em vez de um, de dois, ou de quatro. Felizmente não era minha idéia, embora eu tivesse que escrever as regras.

Sarah Amos: Como um árbitro, você tem um Kata de um estilo particular que você prefere prestar atenção?
TOMMY MORRIS: Não, todos são interessantes.

Sarah Amos: Qual é seu favorito Kata a executar?
TOMMY MORRIS: Provavelmente Seienchin.

Sarah Amos: Seu filho é um competidor internacional bem sucedido. Eu imaginaria que sua experiência de treinamento ajudou muito. Que parte você faz como um técnico no treinamento do seu filho?
TOMMY MORRIS: Assim como seus sucessos internacionais Steven aposentou-se como campeão britânico invicto de Kata, ganhou tudo de 1985 até 2000, ano em que sua esposa morreu. Era muito bom nos treinos solitários e geralmente eu não precisei passar muitas horas com ele. Porém eu não sou certo se eu o ajudei muito internacionalmente, porque minha própria atitude de “Budo” era responsável por Steven fazer um kata mais poderoso e mais realístico, visto que outros competidores, como o espanhol, por exemplo, fazia algo mais show e teatral. Havia igualmente muito engano no antigo sistema de notas, quando Steven se aposentou que eu pude o mudar para o sistema da eliminação com bandeiras.

Sarah Amos: Como um árbitro bem sucedido, qual o melhor competidor que você já viu e por quê?
TOMMY MORRIS: Eu qualifiquei-me como um árbitro internacional em 1970. Eu vi milhares de competidores muito bons e seria injusto escolher para somente um deles. Como começar? Terry O'Neill, Ticky Donovan, Hamish Adam, Vic Charles, Jeff Thomson, Frank Brennan; a lista encheria essa entrevista inteira, apenas com os bons competidores britânicos.

Sarah Amos: Você era um competidor nos anos 'de 65 'a 70. As competições mudaram muito hoje. Como você pensa que a competição moderna é diferente agora? Como você pensa que concorrentes tais como o senhor mesmo, Frank Brennan, Billy Higgins e semelhantes iriam atuar sob as novas regras de competição?
TOMMY MORRIS: O Karatê atual não é o mesmo como era então. As regras, as táticas, e as atitudes são completamente diferentes. Eu penso que os competidores são hoje mais preparados, mas os competidores de antigamente eram em linhas gerais muito mais resistentes. As crianças dos anos 40 e 50 cresceram em uma Grã Bretanha austera durante e após a segunda guerra mundial. Tudo foi racionado e o alimento era escasso. As pessoas eram mais ativas em seu dia-a-dia, andavam a pé em toda parte, jogos e brincadeiras eram praticados por crianças nas ruas, não havia nenhum computador e os jogos de computador e as atitudes das pessoas eram diferentes. Brincávamos instruídos a ser donos das ruas, assim que quando o Karatê veio, as pessoas abraçaram arte. O que nós fizemos nos dojos e nas primeiras competições então, não seria tolerado nunca hoje.
A primeira competição que eu lutei foram os primeiros campeonatos britânicos em setembro de 1965 no palácio de cristal.
Os eventos que estavam sendo disputados eram o campeonato de equipe por clubes, categoria individual Junior e Sênior. Não havia nenhum evento de senhoras ou categoria por peso ou shiai kata. Nós socamos e chutamos de qualquer jeito à nossa maneira, ignorando totalmente como eram as regras e como éramos julgados.
Nós só sabíamos que tínhamos que bater, simplesmente devia bater antes que o outro nos batesse.
No primeiro confronto da equipe, eu soquei chutei e atirei meu oponente fora da área de luta (fiz somente essa técnica a luta inteira) e ganhei por decisão.
Para marcar o ippon era raro, e para fazê-lo só usava chudan tsuki ou gyaku, você enfrentava um oponente que tinha o dobro do seu tamanho e peso. Ninguém usava proteção (luvas etc...) e havia muitos ferimentos. Apenas não seria aceitável hoje. Uma estadia diferente, um mundo diferente.

Sarah Amos: Quanta ênfase você coloca no BUNKAI em suas aulas?
TOMMY MORRIS: Eu desenvolvo como uma ferramenta para ensinar o kata, particularmente ao ensinar o kata de Shitoryu aos estilistas de Shotokan. Ensinando o Bunkai como uma forma de Yakosuku kumite ( luta combinada) , as pessoas podem melhor compreender os movimentos e ajuda a manter seu interesse em aprender o kata.

Sarah Amos: Que conselho você daria a qualquer karateca que desejar se transformar num árbitro?
TOMMY MORRIS: A primeira coisa a compreender é que não é fácil ser um árbitro, assim como não é fácil se transformar em um competidor bem sucedido. Muito trabalho duro e muito tempo praticando em ambos, e devemos começar jovens. Comece no dojo, a seguir participe dos cursos da federação e aproveite cada oportunidade para adquirir experiência.
O árbitro do kumite tem uma tarefas difícil, que eu não penso que não seja apreciado inteiramente por aqueles que nunca a tentaram, os lutadores são um exemplo principal.
Antes de tudo o árbitro deve saber a teoria e interpretar as regras. Deve prestar atenção a cada movimento de dois competidores muito rápidos, que podem ambos atacar ao mesmo tempo, em dois sentidos e em dois níveis diferentes. Deve ver se os lutadores estão dentro da área de luta, mesmo uma pequena parte externa do pé pode mudar a decisão; deve avaliar o mérito técnico das técnicas, (se estão na área de alvo, se têm Boa forma, suficiente força, distância correta e assim por diante). Deve igualmente prestar atenção para os sinais dos juízes e estar pronto para fazer sua decisão imediatamente sobre o que viu. Não existe para ele o benefício do vídeo tape, câmera lenta e replay no conforto do repouso do sofá. Não, o árbitro tem que fazer sua decisão enquanto a técnica de pontuação é executada e antes que a técnica seguinte seja feita.
Tem que tem que trabalhar o dia inteiro, freqüentemente mais de dezesseis horas, freqüentemente sem refrescamento ou comida adequada por períodos de descanso, geralmente sem recompensa financeira, e sob circunstâncias de um esforço considerável.
É pedido para fazer centenas de julgamentos em milésimos de segundos e é esperado dele, nunca cometer um erro!
Porém as recompensas são grandes, a satisfação em fazer um bom trabalho e em fazê-lo bem durante uma final de equipe nos campeonato europeu ou do mundial é algo nunca a ser esquecido.


 entrevisata retirada do site:http://www.karatedasmeninas.com/2008/08/o-homem-que-moldou-o-karat-desportivo.html

Offline retsudo tanaka

  • Sr. Member
  • ****
  • Mensagens: 299
  • Votos: +2/-2
Re: Tommy Morris- O homem que moldou o karate esportivo moderno
« Resposta #1 Online: Agosto 15, 2008, 14:39:28 »
 Primeiro - fica claro que a preocupação dele não era o karatê, mas agradar o público e a tv.

Segundo - fico feliz, muito feliz, em saber que essa iniciativa não partiu de alguém do Shotokan. Para não entender o princípio do ippon, PEDRA FUNDAMENTAL DE TODA ARTE MARCIAL JAPONESA, o sujeito não poderia ter nenhuma relação, ainda que por descendência de linhagem, com Nakayama e Funakoshi. Hoje me sinto mais orgulho de ser Shotokan.

PS: a competição de shiai ficou uma “jóia”, muito “bonito” mesmo.    ;)

oswaldovb

  • Visitante
Re: Tommy Morris- O homem que moldou o karate esportivo moderno
« Resposta #2 Online: Agosto 15, 2008, 16:23:37 »
Excelente entrevista. Realmente Tommy Morris colocou seu nome na Históiria do Karatê e o Karatê desportivo ficou mais técnico.

É digno de nota lembrar que na Copa Leão ,no Rio de Janeiro, os filiados a WKF venceram quase todos os combates contra os filiados das federações tradicionais, mesmo sendo na regra do shobbu ipon, sem falar das competições de kata.

Offline Avi

  • Hero Member
  • *****
  • Mensagens: 1.933
  • Votos: +2/-1
Re: Tommy Morris- O homem que moldou o karate esportivo moderno
« Resposta #3 Online: Agosto 15, 2008, 17:03:35 »


oss
« Última modificação: Agosto 15, 2008, 17:13:19 por Avi »
"Permanecer no Eucarístico, em silêncio, espera e adoração, lapidando almas para Ele."

Offline Jose Fernando Pimentel

  • Sr. Member
  • ****
  • Mensagens: 272
  • Votos: +5/-5
Re: Tommy Morris- O homem que moldou o karate esportivo moderno
« Resposta #4 Online: Agosto 15, 2008, 17:13:28 »
Tem um monte de gente indo treinar Judo por causa dos grandes campeões que aparecem na mídia. Tem um bando de gente treinando Jiu-Jitsu Gracia e Boxe Tailandês por causa dos vale-tudo da vida. E cada vez menos práticantes treinam Karate. Campeonato é uma ferramenta de propagação de nossa arte. Se nós ficarmos treinando escondidos como faziam os nossos mestres de Okinawa, vamos sumir.

Acho muito engraçado endeusar o Funakoshi como pai do Karate moderno e criticar atitudes que pretendem fazer o Karate chegar ao conhecimento do grande público. O que ele fez foi tirar o Karate dos seus esconderijos e apresenta-lo no Japão. Isso seguindo uma estratégia de desenvolvimento traçada pelos líderes do Karate em Okinawa. Quem foi foi o Funakoshi por ser professor, educado e eloquente. Mas foi uma estratégia de marketing. Apresentar sua arte ao mundo. Se os mestres de Okinawa agissem de outra forma, nós não estaríamos nesse fórum, pois ninguém treinaria Karate.

Outra coisa, tem um monte de gente de Shotokan que é contra competição e um monte a favor. E isso não acontece só com o Shotokan, mas com todos os estilos. Meu irmão faz Wado e é contra competição. Não acho certo falar em nome do estilo quando há praticantes dele que participam de competições. E por favor não me venham com o "verdadeiro" Karate que dono da verdade não cabe na discução.

Oss.

Offline Avi

  • Hero Member
  • *****
  • Mensagens: 1.933
  • Votos: +2/-1
Re: Tommy Morris- O homem que moldou o karate esportivo moderno
« Resposta #5 Online: Agosto 15, 2008, 17:24:33 »
Tem um bando de gente indo roubar la em brasilia tambem
"Permanecer no Eucarístico, em silêncio, espera e adoração, lapidando almas para Ele."

Offline retsudo tanaka

  • Sr. Member
  • ****
  • Mensagens: 299
  • Votos: +2/-2
Re: Tommy Morris- O homem que moldou o karate esportivo moderno
« Resposta #6 Online: Agosto 15, 2008, 18:01:35 »
Não estou falando em nome do estilo. Estou falando em meu nome. Ainda bem que essa regra de shiai não foi idéia de shotokan. Ippon é ippon. Quem não sabe o significado disto deveria fazer arte marcial coreana, chinesa, americana e etc.

Ah, não sou contra competições.

Offline Jose Fernando Pimentel

  • Sr. Member
  • ****
  • Mensagens: 272
  • Votos: +5/-5
Re: Tommy Morris- O homem que moldou o karate esportivo moderno
« Resposta #7 Online: Agosto 15, 2008, 18:59:14 »
Mas o conceito de Ipom para a WKF é simples, Ipon vale 1 ponto, sem a idéia de golpe "perfeito". Qual o problema ? No Judo o cara cai de costas e é Ipon. Isso mata alguém ?

Offline jion

  • Jr. Member
  • **
  • Mensagens: 99
  • Votos: +3/-2
Re: Tommy Morris- O homem que moldou o karate esportivo moderno
« Resposta #8 Online: Agosto 15, 2008, 19:14:55 »
 oq ele fz foi tornar a competição mais diversificada tecnicamente para com isso atrair mais interesse publicitário e consequentemente mais adeptos, e oq se ve hoje numa competição é uma gama enorme de tecnicas ao contrario do que se via a 20, 30 anos atras, quando se via quase na sua totalidade apenas guyaku-tsuki.
 é interessante tb ver que o unico estilo que se diz tradicional é o mais novo e tb não possui fundador( não venham falar que foi Funakoshi pq não foi).
  abraço a todos

Offline J.Lezon

  • Hero Member
  • *****
  • Mensagens: 897
  • Votos: +4/-8
  • José Lezon, Prof.Karate Wado-Kai
    • www.karate-wadokai.com
Re: Tommy Morris- O homem que moldou o karate esportivo moderno
« Resposta #9 Online: Agosto 15, 2008, 20:31:42 »
Para além de dois Cursos de Arbitragem que fiz com Tommy Morris, conheço-o o suficiente para dizer que ele é um conhecedor profundo de toda a temática do Karate desportivo, e não só.

As alterações efectuadas às regras, e mais concretamente ao sistema de pontuação, foi uma grande lufada de ar fresco e o antibiótico que curou a doença provocada pelo Gyakuzuki e Kizame, que tornava as competições num autêntico marasmo, do sempre o mesmo.

Praticamente já tudo foi dito mas, no entanto, quero aqui realçar que as alterações às regras, no que diz respeito à arbitragem, veio facilitar grandemente a vida aos árbitros, pois agora tudo está bem definido e há muito mais justiça. A margem de erro agora é mínima.

Infelizmente, o que se verifica, é que muitos treinadores e também muitos atletas,  não são totalmente conhecedores das regras, o que é lamentável.

Hai!
   

 
Technical Director of  Karate-do Wado Portugal Association, and Generel Manager JKF Wado-Kai of Portugal
and International Technical Director of Brasilian Karate-do Wado-Kai Association - Examiner oficial JKF Wado-Kai - 7º.Dan

Offline retsudo tanaka

  • Sr. Member
  • ****
  • Mensagens: 299
  • Votos: +2/-2
Re: Tommy Morris- O homem que moldou o karate esportivo moderno
« Resposta #10 Online: Agosto 15, 2008, 21:50:33 »
NO judô ippon acaba com a luta. depois de um golpe perfeito não há mais nada o que fazer.

Offline Antonio Pêcego

  • Hero Member
  • *****
  • Mensagens: 560
  • Votos: +6/-3
  • 1985 no RJ, soltando a perna em exame para shodan
Re: Tommy Morris- O homem que moldou o karate esportivo moderno
« Resposta #11 Online: Agosto 15, 2008, 22:37:44 »
Falou com propriedade: os Amigos Lezon e Jion, José Fernando Pimentel e oswaldovb. Acompanho-os !

Oss !!!
Momo
"Conhecer os outros é sabedoria, conhecer a si próprio é Iluminação." Lao-Tzu

Offline Rodrigo (Rodfu)

  • Hero Member
  • *****
  • Mensagens: 776
  • Votos: +0/-0
Re: Tommy Morris- O homem que moldou o karate esportivo moderno
« Resposta #12 Online: Agosto 16, 2008, 01:00:43 »
Tchê, mais claro do que está na entrevista não dá pra ficar. O homem diz claramente que só pensou em como fazer o karate ficar melhor para a televisão. Ele não fala em nenhum momento em preservar a arte, ele fala em modificar pra atrair a tv. Comparar isso ao processo que levou o karate de Okinawa pro Japão eu acho que é simplificar demais as coisas.

Outro fato é o seguinte: é uma FALÁCIA (desculpem a ênfase) dizer que o karate está mais atrativo ao olho do espectador e que hoje as lutas são mais diversificadas em termos de técnica.



É a final de 2006 do tal karate espetacular que não usa kizame e gyaku. Quem tiver tempo e saco conte quantos golpes espetaculares tem no vídeo e quantos kizame e gyaku e conclua por si. Podem até dizer que  é uma luta de exceção, que a maioria não é assim. Mentira, é assim mesmo. Tá no youtube, é só olhar. Além do fingimento descarado do atleta que simula ter levado um golpe forte demais no rosto.



Só pra título de curiosidade, aqui tem uma luta do mundial da WUKO (é o nome antigo da "WKF-Karate oficial") na época do Shobu-sanbon. Não acho que seja das melhores lutas, mas observem o uso abusivo de kizame e gyaku e como a luta era bem menos interessante do que na regra atual. Ou não.


Juro que só volto a comentar tal assunto no mínimo daqui a 1 ano. Não tem mais nada pra dizer. Vamos falar sobre futebol ou sobre a criação da associação dos karatekas não-espetaculares.

Bom fim de semana a todos. E dá-lhe Grêmio!
Abraços,
Rodrigo

Offline yama

  • Hero Member
  • *****
  • Mensagens: 4.615
  • Votos: +11/-0
Re: Tommy Morris- O homem que moldou o karate esportivo moderno
« Resposta #13 Online: Agosto 16, 2008, 03:49:23 »
Oss

Pronto apareceu o culpado,vamos pega-lo e queima-lo na Fogueira Santa  :)

Nada mais justo já que o Shito-Ryu é mescla de Shurite e Naha-te :D :D :D :D

Oss
alberto
yama-Alberto S. Almeida