Autor Tópico: Karatê tradicional, megalomania ou fato? Será que ainda existe isso no Brasil?  (Lida 14492 vezes)

Offline katsumoto

  • Hero Member
  • *****
  • Mensagens: 2.936
  • Votos: +1/-19
Re:Karatê tradicional, megalomania ou fato? Será que ainda existe isso no Brasil?
« Resposta #15 Online: Janeiro 18, 2011, 10:24:34 »
Cada um tem o Karate que merece ter!!!
Nakayama deixou seu legado ai pra quem quiser se aprofundar mo treinamento moderno do Karate do.
Quem nao quiser segui-lo, tem esse direito.
Yahara Sensei desenvolveu o Kaitem no Koshi(Jodo de quadril) alem dos ensinamentos de Nakayama..alguem ai quer discutior a eficiencia do Karate dele?
Karate bom é aquele Karate que derruba.
Depende da atitude INDIVIDUAL de cada um nos treinos.
KATSUMOTO-Prof. Roberto Sant Anna

Offline Shaolin do Norte

  • Hero Member
  • *****
  • Mensagens: 608
  • Votos: +0/-0
Re:Karatê tradicional, megalomania ou fato? Será que ainda existe isso no Brasil?
« Resposta #16 Online: Janeiro 18, 2011, 12:00:24 »
Oss,

Caro Kohai_Taigen,

Eu gostaria de conhecer uma escola de Kung Fu tradicional. As que eu conheci eram fraquinhas e os Katis belos, porém treinados sem conteúdo... Ficaria honrado.
Se quer treinar Kung Fu e Boxe Chinês, lhe recomendo procurar o estilo Shaolin Norte na academia Sino Brasileira do Grão Mestre Chan Kowk Way; o site com as localidades você encontrará no www.sinobrasileira.org.  Se estiver no Rio, vá até a academia de Laranjeiras e procure o Sifu Ademar e fale que foi o Gustavo de Santos primo do José Henrrique que lhe mandou...  e não esqueça de dar um abraço na turma!

Em relação ao vídeo, não fiquei ofendido. Mas eu garanto que nada foi falso. Tudo real.
Bom ver uma opinião de um praticante, supostamente sério, que está vendo, "de fora", porque isso me esclarece que o vídeo pode dar a entender esse tipo de interpretação.
Desculpe meu amigo, não estou afirmando que o treino é falso mas, me falar que os chutes na parte interna na coxa, pegando em cheio a ponto de derrubar o adversário para mim é fim de combate! Falo porque já fiquei uma semana sem poder andar direito por levar uma dessas. Os chutes do vídeo estão sendo mostrado igual a um jogador de futebol que entra na área e o zagueiro chega junto e encostas nele. O resultado vai ser o atacante voando como se fosse a Daiane dos Santos... Pode até ter sido falta sim mas, que o cara valoriza isso não tenho duvida. Lembra do Mestre Marco Ruas no UFC? Desabou o gigante americano só com chute na coxa!

Outra, para que o menininho magrinho fica segurando um sujeito por trás para ele socar (de leve, totalmente sem kime!)? Imagine se um menino magrinho daqueles fará diferença! E mais, novamente o magrinho chutando um mawashi segurando a janela!!! Me diga, para que isso?

Veja, acredito que se deve treinar um karate forte até porque o Roberto Sant Anna Sensei está falando que seu Sensei é um cara sério, mas que no vídeo há uma “dramatização” isso também não duvido.
 

A faixa-coral é usada no Shotokan pelo fato do sistema de graus usado ter sido copiado do Judo. Funakoshi e Jigoro Kano foram grandes amigos e trocaram muitas experiências. Eram consideradas, o Karate e o Judo, inclusive, artes marciais irmãs. Renshi Getúlio é sexto grau de Karate Shotokan.
Também discordo! Não há faixa coral no Shotokan. Meu Sensei, Carlos Rocha é 6º Dan da JKA (Deveria ser 7º mas isso deixa para lá...) e a faixa dele e como as dos Senseis Yoshiharu Osaka (8th dan JKA) e Keinosuke Enoeda (8th dan JKA) que estão na foto abaixo, ou seja, nem grau é colocado na faixa!



Se o senhor quiser, eu comunico o meu sensei, que o senhor gostaria de conhecer o nosso Dojo (ele realmente é muito belo) para que possamos todos trocar idéias e treinamentos, pessoalmente, e aumentar o nosso círculo de amizades.
Certamente que gostaria de conhece-los e fazer novas amizades! Quem sabe não fazemos um encontro no RJ e uma visita ao vosso belo DoJo!


Sem comentários! Todos já sabem a minha opinião a esse respeito! Para que ser repetitivo!
Deve concordar comigo Higino Sensei?

Poderia o karatê tradicional, ser individualizado? Isto é, eu posso estar treinando numa academia esportiva e conseguir transcender para o tradicional? Podemos ver um exemplo claro, Lyoto Machida, aplica o karatê com competência, já o Chinzo foi vexatório em sua apresentação. Estaria eu sendo radical demais, ou inocente demais?
Amigo Alexander, você coloca várias indagações. Karate é karate! Tradicional, esportivo, artístico, virtual, flamenguista e corintiano... isso é invenção. É igual a ser VEADO! Ou você é ou não é! Se você treina Karate, preste atenção que vou escrever de novo: se você treina KARATE, voce pode fazer-lo onde quiser. Quanto as lutas dos Machida é um tema que nada tem com treinar Karate. Para mim isso refere-se a outro tópico que podemos discutir como Lyoto e Chinzo vem empregando o Karate que eles treinaram, ou quanto eles estão empregando de JiuJitsu, Kickboxe e etc...
« Última modificação: Janeiro 18, 2011, 12:04:22 por Shaolin do Norte »
      Gustavo

A. HIGINO

  • Visitante
Re:Karatê tradicional, megalomania ou fato? Será que ainda existe isso no Brasil?
« Resposta #17 Online: Janeiro 18, 2011, 13:25:47 »
OSS, Camarada Shaolin...

Impossível não concordar com o que você escreveu camarada!

E ainda acrescento...
Eu não entendo a necessidade que alguns têm em demonstrar DAN’s, seja com essa faixa vermelha ou com fitas na ponta da faixa.

Quando ao meu comentário anterior, estava me referindo a essa “onda” de mesclar Karatê com alguma forma de Wrestling.
DESNECESSÁRIO!
Essa é a minha opinião.


OSS...

Offline GUICOMES

  • Hero Member
  • *****
  • Mensagens: 1.282
  • Votos: +0/-0
  • Rio Grande do Sul. Superior.
Re:Karatê tradicional, megalomania ou fato? Será que ainda existe isso no Brasil?
« Resposta #18 Online: Janeiro 18, 2011, 14:46:14 »
Sr. Higino,
o senhor só treina certa técnica no caso de ela existir em algum kata de karate?
Treine o que funciona, descarte o que não funciona ou é menos prático. Quem treina igual aos outros tende a ser como o resto.
You are all aware of the price of failure. (skeletor)

Offline bruno_leite

  • Sr. Member
  • ****
  • Mensagens: 417
  • Votos: +0/-0
  • Espírito Inabalável...
Re:Karatê tradicional, megalomania ou fato? Será que ainda existe isso no Brasil?
« Resposta #19 Online: Janeiro 18, 2011, 14:52:20 »
OSS, Camarada Shaolin...

Impossível não concordar com o que você escreveu camarada!

E ainda acrescento...
Eu não entendo a necessidade que alguns têm em demonstrar DAN’s, seja com essa faixa vermelha ou com fitas na ponta da faixa.

Quando ao meu comentário anterior, estava me referindo a essa “onda” de mesclar Karatê com alguma forma de Wrestling.
DESNECESSÁRIO!
Essa é a minha opinião.


OSS...

Oss, Higino Sensei e camarada Shaolin do Norte.
Apesar de tambem não gostar desta coisa de ter de demonstrar graduações, fiquei pensativo, pois, como o nosso amigo falou, o Karate usa o sistema de graduações criado por Jigoro Kano e, este tem realmente a faixa vermelha-e-branca.
Eu acredito que isso vai muito da maneira com que o Professor encara o sistema de graduação. O Kyoshi Nilson Tavares, por exemplo, é 7º dan, e usa a faixa vermelha-e-branca. Todos sabem da seriedade do seu trabalho e do seu afinco com o karate - ele treina diariamente, pelo menos 2 vezes por dia... ele está para fazer 60 anos, dos quais 40 são dedicados ao Karate. Sou muito honrado em poder ser seu dicípulo.
Acredito que essa questão de continuar com a faixa preta ou pegar a vermelha-e-branca vai de cada um, afinal, a faixa é um sinal do nível de empenho, tempo e esforços dedicados ao Karate.
OSS.
"A victória depende da habilidade que temos em distinguir as vulnerabilidades, naqueles que pensam que são invulneráveis."
Gichin Funakoshi

Offline yama

  • Hero Member
  • *****
  • Mensagens: 4.615
  • Votos: +11/-0
Re:Karatê tradicional, megalomania ou fato? Será que ainda existe isso no Brasil?
« Resposta #20 Online: Janeiro 18, 2011, 16:04:39 »
Oss

eu tbém não gosto,acho que é uma coisa,situação,merecimento ou a palavra que o valha que tem de ser vista pelo Mestre e o discipulo;

à esses sim interessa saber em degrau da hierarquia estão,se eles sabem o que são e onde estão,para mim já é o bastante.....

mesmo eu tbém não gostando de ostentar a mostra as graduações superiores,tenho o pleno sentido que outras escolas o fazem e se o fazem por que existir tanto espanto assim....

alguns Sensei não usam suas graduações a mostra para aperecer "'ALGUNS '",mas sim por imposição da tradição....

e não venham alegar que não há tradição,pois há,eles não inventaram nada,só continuam os que os mais velhos começaram.....


Oss
alberto
yama-Alberto S. Almeida

Offline bruno_leite

  • Sr. Member
  • ****
  • Mensagens: 417
  • Votos: +0/-0
  • Espírito Inabalável...
Re:Karatê tradicional, megalomania ou fato? Será que ainda existe isso no Brasil?
« Resposta #21 Online: Janeiro 18, 2011, 16:21:34 »
Outra coisa que eu esqueci de dizer  ;D

Eu acho muito bacana um faixa preta ter a faixa toda esfarrapada devido a anos de treino, mas, no fundo, ostentar uma faixa esfarrapada que dizer o mesmo de usar uma faixa com graduações: Significa que você é muito experiente.

Oss
"A victória depende da habilidade que temos em distinguir as vulnerabilidades, naqueles que pensam que são invulneráveis."
Gichin Funakoshi

Offline Shaolin do Norte

  • Hero Member
  • *****
  • Mensagens: 608
  • Votos: +0/-0
Re:Karatê tradicional, megalomania ou fato? Será que ainda existe isso no Brasil?
« Resposta #22 Online: Janeiro 18, 2011, 16:31:12 »
Oss Bruno,

É uma questão de padrão... No Kung Fu não há nada definição de faixas, cada estilo faz o dele. No Karate Fullcontact a graduação é branca, amarela, laranja, azul, verde, marrom, marrom ponta preta e preta... No shotokan é Branca, Amarela, Vermelha (que não é de mestre), Laranja, Verde, Roxa, Marrom e Preta (1º a 10º Dan!)

É padrão! Se eu aparecer para treinar Shaolin de Gi e faixa dourada, estou inventando algo que não existe!

Yama San falou com propriedade! É o que os ROMANOS chamavam de Mos Maiorum. É a tradição e acho que não devemos mecher nisso.

veja:

Sensei Carlos Rocha 6o Dan JKA


Sensei Yoshizo Machida 7o Dan JKA


Sensei Stan Schmidt 8o Dan JKA


Então no Shotokan, não existe a tradição de faixa com graus ou coral... Já no Shorin-Ryu há como voce pode ver Sensei Yoshihide Shinzato e Sensei Wong na foto abaixo.

 

Oss.
« Última modificação: Janeiro 24, 2011, 17:00:51 por Shaolin do Norte »
      Gustavo

Offline bruno_leite

  • Sr. Member
  • ****
  • Mensagens: 417
  • Votos: +0/-0
  • Espírito Inabalável...
Re:Karatê tradicional, megalomania ou fato? Será que ainda existe isso no Brasil?
« Resposta #23 Online: Janeiro 18, 2011, 16:49:11 »
Oss.

Achei um texto muito interessante a esse respeito no site da associação Portuguesa de karate-do. Como ele é muito extenso, deixei em negrito as partes principais.
Segue:

ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE KARATE SHOTOKAN

Karate: Graduações

As graduações, as quais, representam a divisa do praticante, são traduzidas através de uma peça de vestuário, que além de acessório, é simultaneamente, útil e honorífico: o cinto (Obi).
No Japão, como de resto em toda a parte, repartem-se todos os ensinamentos em graduações de conhecimento e perfeição. Em determinadas Artes Marciais, no Karate, por exemplo, existem nove classes (kyu), havendo outras, porém, como o Judo ou o Aikido, onde existem apenas seis, é conforme. E isto para praticantes iniciados, porque para os praticantes avançados existem dez níveis (dan). Quando se inicia o estudo de uma arte marcial recebe-se um cinto, ùnicamente para segurar o fato (Gi): este é sempre de cor branca. É-se então considerado um Neófito. Conforme se vão assimilando as técnicas e nos vamos familiarizando com a arte, passamos sucessivamente pelos graus mais avançados.
No Japão é-se autorizado, a partir de terceiro kyu, a deixar o cinto branco em casa e a usar um cinto de côr castanha. Na Europa, o Mestre japonês Mikonosuke Kaiwashi, por razões pedagógicas, próprias dos ocidentais, criou um sistema de cintos diferentemente coloridos, para cada kyu. É por isso que o neófito, depois de dois ou três meses de esforço no Dojo, se vê promovido ao kyu procedente. Receberá então, depois de um exame, a autorização de utilizar um cinto de côr amarela. Mais tarde, a cada etapa de kyu, ele verá serem-lhe atribuídos, sucessivamente, os cintos laranja, verde, azul, vermelho, (este, só em Karate-do), e por fim, o cinto castanho. Fica-se então candidato ao título de Graduado.
Há uns anos a esta parte, na Europa, e restante mundo Ocidental, chamava--se a um Graduado cinto castanho de "Expert em Artes Marciais", (perito ou experiente em artes marciais), o qual, na realidade, pouca experiência tem, dado que é uma posição extremamente ingrata, pois encontra-se no limiar da realidade. Tudo o que ele precisa é de treino assíduo, de esforço e de espírito, para alcançar esta posição. Fará então, em seguida, um exame muito severo ante os seus superiores, que o julgarão, não só técnicamente, mas também, face ao seu passado de praticante, à sua moralidade, e a outros elementos, que só aos Mestres compete julgar. Depois, ultrapassadas todas estas provas, o praticante conquista por fim o famoso Cinto Negro!
Ainda há vinte anos, ser praticante «cinto negro» na Europa, era, em matéria de Artes Marciais, o "nec plus ultra". Hoje, aproximamo-nos mais da realidade nipónica. Ser cinto negro constitui, claro, um magnífico resultado. É preciso muito esforço para o conseguir. Mas não é mais que uma primeira etapa, um primeiro passo, para a longa caminhada para a perfeição. Assim, as graduações de principiantes, ao serem de ordem decrescente, têm como objectivo a eliminação de defeitos da nossa personalidade, enquanto que as graduações superiores são de ordem crescente, tendo como objectivo cultivar, tanto o corpo como o espírito, numa via mais correcta, mais harmoniosa e mais simples, de acordo com os princípios da Natureza e do Universo.
Existem, teóricamente, dez dan(s) em Artes Marciais. Logo que um cinto castanho completa os seus exames de passagem de graduação, é promovido a «cinto negro» 1º. Dan (Shodan). Seguidamente, treinando-se sériamente, passando provas após provas, ele ascenderá ao grau de 2º. Dan (Nidan), depois, ver-lhe-á ser atribuído, sucessivamente, o grau de 3º. Dan (Sandan), seguindo-se-lhe o 4º. Dan (Yodan), o 5º. Dan (Godan), etc., e como não existe perfeição neste mundo, também não existe, pois, limite para estes graus.
É muito possível que um 10º. Dan, por uma prática assídua, chegue a uma tal perfeição que lhe seja outorgado o 11º. Dan. Alguns dos fundadores de determinadas Artes Marciais, nomeadamente: Gichin Funakoshi – Karate-do, Jigoro Kano – Judo  e  Morihei Ueshiba – Aikido, entre outros, receberam, a título póstumo, a graduação de 12º. Dan, «Shihan», isto é, “Mestríssimo”.
A este nível, todos os graduados trazem o cinto negro, tanto no Dojo, em treino, como em cerimónias, competições, etc. Mas logo que o titular dum 6º. Dan ou 7º. Dan assiste a uma cerimónia congénere, este usará um cinto vermelho-branco, isto é, pedaço vermelho, pedaço branco, alternadamente.
Para o 8º. Dan, e seguintes, o cinto de gala é todo vermelho, e largo. Para o 12º. Dan, considerou-se que o titular de uma tão extraordinária distinção atingiu um tão alto nível, que ultrapassou todas as categorias. Assim, ele voltará "às origens", usando um cinto branco (!)
. Mas para que certos neófitos não se enganem, este distintivo será o dobro em largura, relativamente, ao dos iniciados.
Para terminar, será talvez útil dizer, a fim de evitar alguma desilusão, que toda uma vida inteiramente consagrada à prática das Artes Marciais, mal chega para alcançar os mais altos, e honoríficos graus.
Sómente, aqueles indivíduos, excepcionalmente dotados, como Sensei Masatoshi Nakayama que morreu com 9º. Dan, ou Sensei Hirokazu Kanazawa, actualmente com a graduação de 10º. Dan, ou Sensei Kase, com 9º. Dan, ou ainda, Sensei Hidetaka Nishiyama, também com 9º. Dan, e isto, só para citar, apenas, alguns exemplos, indivíduos esses dotados de um espírito e de um esforço, tenazes, quase sobre-humano, que conseguiram alcançar estas nobres posições.
Sabe-se pois, que dois a três anos de trabalho árduo, é o mínimo que se requer para alcançar o 1º. dan, e que os períodos de estágio para cada nível superior, aumentam progressivamente.
Quanto aos graus superiores, e desde que existem os 10º. dan(s), nunca houve mais que dois ou três, em simultâneo. São exemplo disso: Sensei Gogen Yamagushi – Goju-ryu, Sensei Shinkin Gima – Shotokan, e ainda, Sensei Kenwa Mabuni – Shito-ryu, todos eles já falecidos.
De que serve sonhar, quando se sabe que, só no Japão, existem cerca de, mais de quinhentos mil cintos negros, de entre os mais variados graus e títulos(!).
Há já muito tempo que o «mito» do cinto negro perdeu o seu significado na Europa. Não nos devemos esquecer, porém, que as graduações não são o objectivo da prática do Karate-do, da mesma forma que, não é a cenoura que faz avançar o burro. O que é importante no cinto é apertar o nó da nossa vontade e empenharmo-nos até ao fim na Arte que escolhemos.
A tradição é importante na prática do Karate-do. É preciso prendermo-nos ao "Estado de Espírito" dos grandes Mestres, os quais, nos precederam no estudo da Via (DO), por eles transmitida.
Segundo a opinião do «Grande Mestre» Gichin Funakoshi (1869 – 1957), fundador do Karate-do, no Japão, como atrás foi referido; grande Mestre de Artes Marciais (BUDO), a sua modéstia e humildade podem bem representar as realizações de um «Homem na Via» (DOJIN).
Numerosas histórias circulam sobre ele. Eis uma, cujo sentido é mais que evidente, e apropriado, do estado de espírito que convém adoptar para, aquando das passagens de graduações.
Perguntaram um dia ao Mestre Funakoshi, o que poderia distinguir um homem normal daquele que seguia a Via, numa procura interior, e do qual o Mestre tinha o costume de falar a todo o momento, ao que o Mestre respondeu:
"Quando um homem comum é aceite para exame de 1º. dan (shodan), ergue-se com firmeza, frente aos membros do Jurí, e depois, corre a anunciar a boa-nova à sua família.
Quando obtém o 2º. dan (nidan), sobe ao lugar mais alto que pode encontrar, para gritar em redor, a distinção que acaba de obter.
Assim que passa a 3º. dan (sandan), ou mais, salta para o seu carro e atravessa a cidade frenéticamente, para festejar o acontecimento, etc.
Um homem que sabe reconhecer o «Do», a Via, age diferentemente: ao receber o Shodan, inclina a cabeça em sinal de reconhecimento ao seu Mestre.
Ao receber o Nidan, curva-se perante o seu Mestre um pouco mais ainda, em sinal de humildade.
Assim que recebe o seu Sandan, ou mais, inclina-se "até ao chão", confuso, antes de desaparecer discretamente.
Todo ele mede agora, o que o separa da verdadeira perfeição!"

Fonte: http://www.anks.pt/graduacoes.html

Espero ter ajudado.


Oss.  ;)
« Última modificação: Janeiro 18, 2011, 16:52:28 por bruno_leite »
"A victória depende da habilidade que temos em distinguir as vulnerabilidades, naqueles que pensam que são invulneráveis."
Gichin Funakoshi

Offline Shaolin do Norte

  • Hero Member
  • *****
  • Mensagens: 608
  • Votos: +0/-0
Re:Karatê tradicional, megalomania ou fato? Será que ainda existe isso no Brasil?
« Resposta #24 Online: Janeiro 18, 2011, 16:58:41 »
Oss,

Acho que os portugas estão falando de outro estilo. Eu nunca vi um japones ou não japones, karateca Shotokan 6o dan para cima, com uma faixa coral... mas, deixo esse comentário para os Senseis Pedro, Higino, Santanna, D'Elia...

Oss.
      Gustavo

Offline GUICOMES

  • Hero Member
  • *****
  • Mensagens: 1.282
  • Votos: +0/-0
  • Rio Grande do Sul. Superior.
Re:Karatê tradicional, megalomania ou fato? Será que ainda existe isso no Brasil?
« Resposta #25 Online: Janeiro 18, 2011, 17:24:12 »
Shaolin
Cara, tu encucou com a faixa do Sensei Getúlio né? Tu é faixa-branca, começou no Shotokan agora a pouco e quer questionar a faixa que o cara usa dentro da própria escola... Agora ele deixa de treinar e ensinar Shotokan por causa disso?

Porque sempre tudo que esses Sensei que você cita é lei? Com todo o respeito, grande $%&! você nunca ter visto japones fazer isso ou aquilo, não é mesmo?

Tem escola que adota este sistema que você citou... Na JKA usam faixa-azul, não usam a vermelha, etc. Pra mim, tinha que ser o mesmo número de faixas do Gracie JJ. Tem gente que pula o aluno de faixas... No fim isso sai do saco do sensei e mais nada!

Quanto aos chutes, concordo que aquilo não é treino, é dramatização, o que não tem NADA de errado. Já em relação à treino, quem não treina gedan geri já sai na desvantagem.

Não se ofenda...
Oss.
Treine o que funciona, descarte o que não funciona ou é menos prático. Quem treina igual aos outros tende a ser como o resto.
You are all aware of the price of failure. (skeletor)

Offline Kohai_Taigen

  • Sr. Member
  • ****
  • Mensagens: 355
  • Votos: +0/-0
  • André Lima
    • Kohai Karate Do
Re:Karatê tradicional, megalomania ou fato? Será que ainda existe isso no Brasil?
« Resposta #26 Online: Janeiro 18, 2011, 19:17:48 »


Teruo Furusho - sétimo dan.

Compreendo o desconhecimento do colega Shaolin. Faixa-branca fala coisas sem pensar mesmo.

E quanto as bravatas em relação ao vídeo ser falso, é perfeitamente compreensível que vocês, no conforto de seus lares, tenham dúvida em relação a verdade da nossa prática. Fazer o que... acho até graça em um site onde vejo vários praticantes fazerem "bravatas" em relação a Karate Esportivo X Karate Budo, ficarem cegos quando veem uma escola genuína à sua frente.

Como eu afirmei antes, quando os praticantes veem a nossa escola, duvidam que nós somos reais.

Grande abraço a todos. Vou treinar agora.

Oss!
André Lima
Faixa-Preta da escola Taigen de Karate Shotokan.

A. HIGINO

  • Visitante
Re:Karatê tradicional, megalomania ou fato? Será que ainda existe isso no Brasil?
« Resposta #27 Online: Janeiro 18, 2011, 19:29:11 »
OSS, Camarada GUICOMES...

Certamente que não treino apenas aquilo que existe nos Kata!
Os KATA são indubitavelmente uma grande fonte de conhecimento mais estão longe de conter todo o conhecimento necessário para todas as situações de luta.
Mas eu entendi o sentido da sua pergunta!
Analise treinar “defesas” para essas situações, principalmente contra Wrestling, e isso eu treino muito!

Hoje existe uma tendência crescente aonde os lutadores Strike treinam apenas as defesas, ou como evitar as entradas e desenvolver as saídas, sem precisar haver que treinar especificamente um estilo de Wrestling.

Saudações!

A. HIGINO

  • Visitante
Re:Karatê tradicional, megalomania ou fato? Será que ainda existe isso no Brasil?
« Resposta #28 Online: Janeiro 18, 2011, 19:31:54 »
OSS, Camarada Bruno Leite...

Esse padrão de cor de Faixas e Dan existente no Karatê-Dô mesmo copiado do Judô não seguem os mesmos padrões dessa Arte.
Até aonde eu saiba não há na NKK tal ordenação.
Outra coisa...
Antigamente todos só podiam chegar vivo ao 9º Dan!
Pelo motivo óbvio que o 10º Dan representava a perfeição e isso ninguém alcançaria em vida, daí ser outorgado pós-morte.
Quanto a essa matéria por você postada, creio firmemente tratar-se de uma grande erro a parte grifada!
1- Funakoshi O-Sensei morreu sendo apenas 5º Dan, posteriormente a NKK aumentou os Dan até o 10º Dan.
Logo essa afirmativa de que Funakoshi O-Sensei foi elevado ao 12º Dan não tem fundamentação histórica.
2- A alegação de que a faixa Branca representa voltar ao início está correta, é por isso que a faixa Preta quando começa a perder os traços de preto é de tamanha relevância para o seu possuidor, não havendo assim a necessidade de mudar literalmente a faixa Preta por uma Branca.

O “Pedro Sensei” pode melhor explicar esse orgulho!

Esse é a minha opinião, e acho que existe muita OSTENTAÇÃO no meio Marcial.
Cada um querendo aparecer mais do que os outros, mais pela faixa do que pela “histórico de lutador”!
E não estou falando aqui de histórico de lutador de competição, falo de luta real.
  

OSS...
« Última modificação: Janeiro 18, 2011, 19:35:55 por A. HIGINO »

Offline Shaolin do Norte

  • Hero Member
  • *****
  • Mensagens: 608
  • Votos: +0/-0
Re:Karatê tradicional, megalomania ou fato? Será que ainda existe isso no Brasil?
« Resposta #29 Online: Janeiro 18, 2011, 22:00:55 »
Shaolin Cara, tu encucou com a faixa do Sensei Getúlio né? Tu é faixa-branca, começou no Shotokan agora a pouco e quer questionar a faixa que o cara usa dentro da própria escola... Agora ele deixa de treinar e ensinar Shotokan por causa disso? Porque sempre tudo que esses Sensei que você cita é lei? Com todo o respeito, grande $%&! você nunca ter visto japones fazer isso ou aquilo, não é mesmo?
Meu camarada.
1o - Estou cagando se "fulano" usa a faixa dourada com bolinhas prateadas!!! Mas só estou questionado o fato de HAVER um PADRÃO! E se deve respeitar isso! Meu Gi Pretinho que está na minha foto NUNCA entrou na Mushinkan, sabe porque? Porque lá treino Karate Shotokan e não Karate Kickboxe!  Se é Shotokan como pode um cara inventar faixas?
2o - Tanto não me importo com faixa que AINDA SOU FAIXA BRANCA (e não vou entrar no mérito do porque, isso é assunto meu e do meu Sensei) mas, não se iluda com isso... de puro não tenho nada. Garanto que já vivi o bastante em artes marciais, treinei anos (e ainda treino) com os melhores no Brasil em vários estilos e quando abrir minha bocarra para falar é porque acho que tenho alguma coisa para acrescentar, do contrário me calo. Já vi muito faixa preta cheio de graus que tem que comer muito arroz com feijão para querer debater artes marciais comigo ou até trocar uns golpes, se é que tem culhões!
3o - E Por já ser da velha guarda e que posso afirmar que sei bem aqueles que merecem meu respeito! Cito apenas aqueles que para mim são admiráveis. Mestres e artistas marciais que conheço e afirmo que são do ramo! Não um zé mané que ganha graduação porque é amico e puxa saco de presidente de federação e afins.


Teruo Furusho - sétimo dan.

Compreendo o desconhecimento do colega Shaolin. Faixa-branca fala coisas sem pensar mesmo.

E quanto as bravatas em relação ao vídeo ser falso, é perfeitamente compreensível que vocês, no conforto de seus lares, tenham dúvida em relação a verdade da nossa prática. Fazer o que... acho até graça em um site onde vejo vários praticantes fazerem "bravatas" em relação a Karate Esportivo X Karate Budo, ficarem cegos quando veem uma escola genuína à sua frente.

Como eu afirmei antes, quando os praticantes veem a nossa escola, duvidam que nós somos reais.

Grande abraço a todos. Vou treinar agora.

Oss!

Meu caro, não falei bravatas, falei o que vi!

Oss.
      Gustavo