Autor Tópico: Quase uma hora de tortura  (Lida 8714 vezes)

Offline Cabadapest

  • Hero Member
  • *****
  • Mensagens: 990
  • Votos: +2/-0
Re:Quase uma hora de tortura
« Resposta #30 Online: Janeiro 27, 2013, 15:03:47 »
Carga de treinamento:
1 hora de aula, três vezes por semana é o suficiente para:
-Boa saúde física e mental
-Qualidade de vida
-Bom karate

Oss!
"Aquele que está consciente de suas próprias fraquezas será senhor de si mesmo em qualquer situação." Funakoshi.

Offline BigBoy

  • Hero Member
  • *****
  • Mensagens: 2.239
  • Votos: +1/-0
Re:Quase uma hora de tortura
« Resposta #31 Online: Janeiro 27, 2013, 15:09:38 »
Carga de treinamento:
1 hora de aula, três vezes por semana é o suficiente para:
-Boa saúde física e mental
-Qualidade de vida
-Bom karate

Oss!

   Então você, terceiro dan, é quem está me ajudando a manter a mensagem principal:


              TEM DE SUAR O KIMONO, NÉ?

Offline GUICOMES

  • Hero Member
  • *****
  • Mensagens: 1.282
  • Votos: +0/-0
  • Rio Grande do Sul. Superior.
Re:Quase uma hora de tortura
« Resposta #32 Online: Janeiro 27, 2013, 15:24:48 »
Sou a favor de qualquer esforço no sentido da felicidade e da saúde.
Mas 3h por semana não da pra ter nem péssimo karate.
Não é nem o que a OMC recomenda, obvio que é melhor que nada neste sentido.
Treine o que funciona, descarte o que não funciona ou é menos prático. Quem treina igual aos outros tende a ser como o resto.
You are all aware of the price of failure. (skeletor)

Offline BigBoy

  • Hero Member
  • *****
  • Mensagens: 2.239
  • Votos: +1/-0
Re:Quase uma hora de tortura
« Resposta #33 Online: Janeiro 27, 2013, 15:33:14 »
Sou a favor de qualquer esforço no sentido da felicidade e da saúde.
Mas 3h por semana não da pra ter nem péssimo karate.
Não é nem o que a OMC recomenda, obvio que é melhor que nada neste sentido.


Aí você reacende o debate, pois foi com esta série de 3 x semana, 1h/treino, que adquiri a melhor formar física que tive em toda a minha vida.
« Última modificação: Janeiro 29, 2013, 19:55:16 por BigBoy »

Offline BigBoy

  • Hero Member
  • *****
  • Mensagens: 2.239
  • Votos: +1/-0
Re:Quase uma hora de tortura
« Resposta #34 Online: Janeiro 27, 2013, 15:39:57 »
   E vou além: eu, na faixa roxa, sentia-me psicologicamente preparado pra luta. Perder ou ganhar não me interessava mais. O que eu queria era não arregar. Era lutar. Era ganhar ou perder dando trabalho, sendo chato, incomodando um 'ser superior' por precisar enfrentar alguém que não se intimidava.

   Três vezes por semana, naquela sequência básica, alvo de críticas, que eu postei aí.

Offline GUICOMES

  • Hero Member
  • *****
  • Mensagens: 1.282
  • Votos: +0/-0
  • Rio Grande do Sul. Superior.
Re:Quase uma hora de tortura
« Resposta #35 Online: Janeiro 27, 2013, 15:49:44 »
Sem erro, não estou a fim de discutir isso hoje. Se é bom pra pessoa, é bom e não tem tempo mínimo pra fazer bem.
Treine o que funciona, descarte o que não funciona ou é menos prático. Quem treina igual aos outros tende a ser como o resto.
You are all aware of the price of failure. (skeletor)

Offline GEM

  • Hero Member
  • *****
  • Mensagens: 1.663
  • Votos: +0/-0
Re:Quase uma hora de tortura
« Resposta #36 Online: Janeiro 27, 2013, 15:58:45 »
Tô nessa com vocês Caba e Big.
Três vezes de 1h por semana de um bom treino de karatê é suficiente, se a pessoa não quer ser atleta e nem viver do karatê. Se puder complementar com uma outra atividade física, melhor ainda.

E obrigado Caba pelo esclarecimento sobre alongamento e flexionamento.
« Última modificação: Janeiro 27, 2013, 16:01:16 por GEM »
Karate Wado Ryu

Offline BigBoy

  • Hero Member
  • *****
  • Mensagens: 2.239
  • Votos: +1/-0
Re:Quase uma hora de tortura
« Resposta #37 Online: Janeiro 27, 2013, 16:03:50 »
   Eu bebi e vou aproveitar pra escrever agora, pois do contrário posso me arrepender. Caso o faça, entrarei aqui e deletarei o post.

   O que talvez não deixei claro é que eu me senti preparado pra lutar. Contra quem fosse. Em Cascavel, cidade onde ocorreu um campeonato, não havia muitos atletas e, devido a isto, roxas, marrons e pretas foram aglutinados numa mesma categoria.

   Quando vi que poderia lutar contra Caurudo, Gil Marcos, Arturo e outros temidos faixas pretas, ao invés de sentir o meu $%&! piscar, pedi pra tocar Metallica, a todo o volume no Rádio-Gravador que levei e meu sobrinho estava escutando. O meu coração estava batendo forte com vontade de entrar em uma luta cujos resultados não interessavam, caso fossem queixo, nariz ou outra coisa qualquer quebrada.

   Quando fui chamado pro primeiro kumite com um faixa marrom, depois do ajimê, soltei um kiai bem alto e saí com um tobi gueri mirando o pescoço do faixa marrom que estava na minha frente e tinha dado no máximo dois pulinhos antes de receber o pé no pescoço.
   Não sei o porquê, recebi uma advertência.
   Ao ser retomada a luta, parti pra cima novamente e ele aplicou um guiaku no meu abdômen sem que eu sentisse. Só depois me disseram, pois apliquei-lhe um ashi barai e fui direto pro fumikomi no pescoço sem concretizar o golpe. Outra advertência, sendo informado de que na próxima seria expulso.
   Não me lembro o que o rapaz aplicou novamente, mas ele ganhou. Pra mim, o que me importa, foi que eu fui pra cima. Não interessava a cor da faixa, o tamanho ou quem fosse.
   Tendo perdido pelo gueaku, restou-me a repescagem. Quando disseram que era o Cauduro, a torcida fêz aquele barulho tipo 'affff coitado'. O sangue me subiu. Tudo bem. Tomei um outro gueaku no nariz que o médico veio me averiguar. Mas o mawashi ficou na nuca dele. Depois daquilo, ele só administrou o tempo pra ganhar de mim.
   Interessou pra mim quem ganhou ou quem perdeu?
   Eu treinava com o Arturo todos os dias. Pouco me importava quem ganhasse. O que eu queria era não arregar. E isso eu consegui.
   $%&! queos pariu... que falta me faz um treino desses.

   E isso, companheiro GUICOMES, três vezes por semana, uma hora por treino, nesse meu péssimo karatê, mas que pra mim, era tudo o que eu consegui construir na minha vida de luta.

[]´s
BigBoy

Offline GEM

  • Hero Member
  • *****
  • Mensagens: 1.663
  • Votos: +0/-0
Re:Quase uma hora de tortura
« Resposta #38 Online: Janeiro 27, 2013, 16:27:01 »
O Big quando bebe solta as "sujeiras"...hehehehehe. ;D ;D ;D

Cara, este seu relato me despertou muitas memórias daquela época. Eu, treinava de tarde e era comum um treino de kumite onde os mais graduados (verde p/ cima) se revezavam. Os kumites mais "pegados" eram contra o Arturo, Luis Ivan, Daniel e Nakamura, mas tinham outros faixa pretas bons também como Luciano, Ricardo Rosa (Rosinha) e outros que não me lembro os nomes...............bons tempos. :)
« Última modificação: Janeiro 27, 2013, 17:19:40 por GEM »
Karate Wado Ryu

Offline BigBoy

  • Hero Member
  • *****
  • Mensagens: 2.239
  • Votos: +1/-0
Re:Quase uma hora de tortura
« Resposta #39 Online: Janeiro 27, 2013, 16:34:51 »
GEM,

   Pra mim, humildemente, ESTE É O PAPEL DA LUTA: você poder ter predisposição para lutar para defender-se. Coisa que eu não tinha antes de fazer a luta. Antes eu tinha pânico, coisa que me congelava as pernas, a respiração.
   A prática daquelas lutas permitiu-me eliminar o pânico. Porém o medo existia. Mas ter medo é natural. É biológico. Graças a Deus sinto isso, caso contrário seria um psicopata.
   Mas o pânico foi controlado. Eu conseguia estar à frente de um leão sem congelar. Era esse o sentimento adquirido.
   E esta coisa eu levei pro profissional. Até na vida militar. Houve um comandante que gritava comigo e a dentadura dele caiu, com os fios de baba grudando-se à gengiva dele. E eu permaneci pétreo. Olhando-o firmemente. Sem o karatê eu jamais conseguiria fazer isso.

Offline GUICOMES

  • Hero Member
  • *****
  • Mensagens: 1.282
  • Votos: +0/-0
  • Rio Grande do Sul. Superior.
Re:Quase uma hora de tortura
« Resposta #40 Online: Janeiro 27, 2013, 17:09:11 »
Bigboy, vou te responder por mensagem privada pra evitar as discussões típicas.
Treine o que funciona, descarte o que não funciona ou é menos prático. Quem treina igual aos outros tende a ser como o resto.
You are all aware of the price of failure. (skeletor)

Offline GEM

  • Hero Member
  • *****
  • Mensagens: 1.663
  • Votos: +0/-0
Re:Quase uma hora de tortura
« Resposta #41 Online: Janeiro 27, 2013, 17:23:18 »
GEM,

   Pra mim, humildemente, ESTE É O PAPEL DA LUTA: você poder ter predisposição para lutar para defender-se.

Falou Big, é isto aí. 8)
Agora para de mistério e diz aí se vem no encontro aqui em Curitiba.
Karate Wado Ryu

Offline BigBoy

  • Hero Member
  • *****
  • Mensagens: 2.239
  • Votos: +1/-0
Re:Quase uma hora de tortura
« Resposta #42 Online: Janeiro 27, 2013, 17:30:27 »
Bigboy, vou te responder por mensagem privada pra evitar as discussões típicas.

   Se você me responder por MP não vai ter graça.

Offline Cabadapest

  • Hero Member
  • *****
  • Mensagens: 990
  • Votos: +2/-0
Re:Quase uma hora de tortura
« Resposta #43 Online: Janeiro 27, 2013, 17:33:17 »
O cara que tem mais de 35 anos , trabalhador, casado e pai de família se for treinar todo dia 2 horas, vai trabalhar fadigado e sonolento, chega em casa cansado e mau humorado e sua atividade sexual vai deixar a desejar.
Com a carga de treinamento adequada, vai trabalhar bem, viver bem e trepar bem.
E quanto ao karate, vai depender da base que fez lá atrás, quem tem uma boa base motora porque treinou karate com qualidade e quantidade, vai fazer frente com qualquer atleta mesmo, ou vocês nunca viram garotão tomando chocolate de karateca experiente?

P.S.
Cuidado com o Ricardão!
Oss!
"Aquele que está consciente de suas próprias fraquezas será senhor de si mesmo em qualquer situação." Funakoshi.

Offline GUICOMES

  • Hero Member
  • *****
  • Mensagens: 1.282
  • Votos: +0/-0
  • Rio Grande do Sul. Superior.
Re:Quase uma hora de tortura
« Resposta #44 Online: Janeiro 27, 2013, 17:40:12 »
Então nem respondo. Não posto aqui pra fazer graça.
A única coisa que se deve dar em retorno ao karate é o respeito que a arte dá ao praticante. Esse é meu entendimento e o entendimento disso não se dá em discussão nenhuma.
Treine o que funciona, descarte o que não funciona ou é menos prático. Quem treina igual aos outros tende a ser como o resto.
You are all aware of the price of failure. (skeletor)