Autor Tópico: Karate Jutsu para Karate Do  (Lida 10729 vezes)

Offline Andretta

  • Sr. Member
  • ****
  • Mensagens: 276
  • Votos: +0/-0
  • "E a vida segue ensinando... todos os dias."
Re:Karate Jutsu para Karate Do
« Resposta #75 Online: Janeiro 31, 2012, 22:49:45 »
   O que também vejo com estranheza é o fato de alguns ensinos nos quais os patriarcas do karatê se inspiraram e foram até alunos, em alguns casos, em que são omitidos.

   Por que se um mestre foi à China e aprendeu a luta que alia havia, Kung Fu da época, talvez, não cita este mestre, não lhe dá o nome? "Aprendeu na China as artes disso e daquilo...". Mas, por que não citar quem foi?

[]´s
BigBoy

Ih! Lá vamos nós outra vez...

Sobre Kung-fu [功夫]... agora!

Há tempos venho falando, comentando, insistindo mesmo... a respeito da necessidade de estudar seriamente os temas relacionados ao Karatedō [空手道]. Desculpe-me, por favor, se pareço um tanto chato e insistente com este tema, mas é meu ponto de vista que não existe outra forma para que possamos evitar que erros sejam instituídos e divulgados como verdadeiros, quando na verdade não o são...

Uma expressão quando é mal interpretada/traduzida/entendida pode constituir-se em um erro que pode perdurar por muito tempo... quer ver?

Vamos lá então... para exemplificar, utilizarei aquele que, em minha opinião, constitui um dos maiores e mais comuns erros que persiste até nossos dias: a expressão Kung-fu [功夫].

Como é de costume não gosto de tratar de qualquer termo oriental sem utilizar um Sistema de Romanização Oficial, por isso para este “post” adotarei o Sistema Hànyǔ Pīnyīn [漢語拼音] (1) para a transcrição fonética das palavras chinesas... e por esta razão passo a tratar o termo Kung-fu [功夫] por Gōng-fu [功夫] a partir de agora... Não que a expressão Kung-fu [功夫] esteja errada... não, de fato não está... apenas está em um Sistema de Romanização, diferente do que eu uso, chamado Wade-Giles Pīnyīn [威妥玛拼音] (2).

Antes de tentar explicar qualquer coisa irei apresentar a tradução literal da expressão Gōng-fu [功夫], que por si só já explica muita coisa:

Gōng [功] – mérito, realização, resultado, serviço;
Fu [夫] – pessoa, indivíduo, homem (gênero humano).

Gōng-fu [功夫] – pessoa com mérito (ou ainda: indivíduo realizado, homem que atingiu um resultado, pessoa que cumpre bem o seu serviço).

Esclarecido o significado da expressão, começarei deixando bem claro que não existe arte marcial com o nome Gōng-fu [功夫]... É verdade: Gōng-fu [功夫] como arte marcial não existe!

O termo chinês Gōng-fu [功夫] é um título de capacidade individual e não o nome de qualquer arte marcial. Como a tradução deixa claro, basicamente qualquer pessoa que faça bem o seu trabalho... um professor, um dentista, um carpinteiro... qualquer indivíduo que cumpra bem o seu ofício ou que tenha mérito em alguma coisa é um Gōng-fu [功夫].

A forma correta de referir-se às Artes Marciais Chinesas genericamente é Wǔ-shù [武術] (estes ideogramas são lidos Bujutsu [武術] em japonês), que literalmente quer dizer:

Wǔ [武] – marcial, militar;
Shù [術] – método, técnica, arte.

Wǔ-shù [武術] – método marcial, técnica militar (ou seja, nossa boa e velha “Arte Marcial”).

Na Republica Popular da China (China Comunista) o termo utilizado para definir todas as Artes Marciais é Guó-Shù [國術]:

Guó [國] – país, estado, nação;
Shù [術] – método(s), técnica(s).

Guó-Shù [國術] – método(s) do país, técnica(s) do estado, técnica(s) da nação (algo como "Artes Nacionais").

Outra confusão comum é usar como sinônimos as expressões termos Wǔ-shù [武術] e Quán-fǎ [拳法]. Da forma como esta informação está disposta em muitas fontes de pesquisa, leva o leitor a entender que Wǔ-shù [武術] e Quán-fǎ [拳法] são uma única arte. Embora elas, de fato, estejam inter-relacionadas não são a mesma coisa... na realidade o Wǔ-shù [武術] abarca muitos estilos de Quán-fǎ [拳法], entre eles: Báihè-quán [白鶴拳], Shàolin-quán [少林拳], etc... Ou seja, Wǔ-shù [武術] é a expressão universal utilizada para designar as “Artes Marciais Chinesas”, enquanto Quán-fǎ [拳法] é o termo geral utilizado para designar os diversos estilos destas mesmas “Artes Marciais Chinesas”.

Traduzindo a expressão Quán-fǎ [拳法] temos:

Quán [拳] – punho(s);
Fǎ [法] – lei(s), método(s), via(s).

Quán-fǎ [拳法] – lei(s), método(s) ou via(s) do(s) punho(s).

A palavra chinesa Quán-fǎ [拳法] é lida Kenpō [拳法] em japonês e é geralmente conhecida como "Boxe Chinês" em português.

Ah! Antes que eu esqueça... também é muito comum ver por aí uma confusão generalizada no que tange aos termos Gōng-fu [功夫] e Quán-fǎ [拳法] (outra vez são utilizados como sinônimos)... Por isso, vou repetir: “não existe arte marcial com o nome Gōng-fu [功夫]”... Se quero falar sobre “Artes Marciais Chinesas” uso Wǔ-shù [武術] ou Guó-Shù [國術] de uma forma geral e Quán-fǎ [拳法] de uma forma mais específica... usar a palavra Gōng-fu [功夫] para esta finalidade é errado.

Com certeza, alguém deve estar perguntando: “Hum... mas se tudo isso é verdade, de onde saiu toda esta confusão?” Acho este um questionamento justo... por isso vou expor aqui uma explicação muito coerente e interessante feita por Goulart (2008) para responder:

“Esta maneira errada de referir-se às Artes Marciais Chinesas como Gōng-fu [功夫] começou na década de 70 quando foi lançada uma série de televisão chamada "Kung-Fu" (Gōng-fu [功夫]), protagonizada por David Carradine e que foi um tremendo sucesso no meio marcial da época. Para quem não conhece a série (principalmente os mais novos cronologicamente falando), a história gira em torno de um monge sino-americano chamado “Kwai Chang Caine” (Qián Guān Chāng [虔官昌]) que se vê envolvido em problemas diversos e que se safa de tudo através da "porrada com sabedoria".

O título desta série de televisão fazia referência à habilidade do monge em sua Arte Marcial e em sua sabedoria budista, ou seja, de fato, o monge era um Kung-Fu (Gōng-fu [功夫])... porém a arte que ele praticava, não!

Como os ocidentais daquela época não sabiam que tipo de Arte Marcial o monge utilizava para acabar com os "bandidos do filme", passaram a definir aquele tipo desconhecido de luta como “Kung-Fu” (Gōng-fu [功夫])... porém isso foi uma convenção com base no desconhecimento total do assunto em questão.

Infelizmente, aproveitando o sucesso da série, no ocidente abriram-se várias escolas de "Kung-Fu" (Gōng-fu [功夫]) para ensinar Artes Marciais Chinesas (Wǔ-shù [武術], Guó-Shù [國術] ou Quán-fǎ [拳法]). Contudo, aqueles que fundaram tais escolas não se deram ao mínimo trabalho de perguntar a qualquer chinês o que o termo Gōng-fu [功夫] realmente significava e ainda hoje, passados mais de 30 anos, ainda vemos escolas de... “Kung-Fu” (Gōng-fu [功夫]) por aí!” (GOULART, Joséverson).

Sempre tenho defendido a pesquisa no meio marcial e, desde o primeiro “post” no “Karatecanet”, tenho tentado mostrar que se não entendo alguma coisa devo pesquisar e procurar as respostas para aquilo que não sei, pois embora às vezes, para muitos, seja difícil admitir... sempre há alguém que sabe mais que nós.

Goulart (2008) nos alerta sobre este problema:

“Infelizmente a maioria das pessoas acomoda-se às informações transmitidas de forma errada e as assumem como corretas... e isso é um erro grosseiro, pois questionar é a base da aprendizagem: ou sei ou não sei. O que não posso fazer é esconder-me atrás de "verdades absolutas" para encobrir a minha ignorância efetiva” (GOULART, Joséverson).

Portanto, tenha cuidado em seus trabalhos...

------------------------------------------------
Curiosidade 1: A falta de conhecimento é tanta que muitas vezes chega-se a afirmar que Wǔ-shù [武術] é um estilo de Gōng-fu [功夫].

Curiosidade 2: Já vi afirmações de que Kenpō [拳法] é a palavra japonesa para Gōng-fu [功夫]... nada mais longe da verdade (basta observar os Kanji [漢字] para ver que se trata de palavras diferentes).

------------------------------------------------
Nota 1: Pīnyīn [拼音] é um método ou sistema de romanização oficial utilizado na República Popular da China para transcrever o Idioma Chinês (Hànyǔ [漢語]) para o alfabeto. Pīnyīn [拼音] significa, literalmente, "soletração de sons". A versão mais utilizada do Pīnyīn [拼音] é o chamada Hànyǔ Pīnyīn [漢語拼音], onde Hànyǔ [漢語] significa Idioma Chinês ou Língua Chinesa.

Nota 2: Wade-Giles é um sistema de romanização para a Língua Chinesa utilizado principalmente no variante do Mandarim. Foi o principal sistema de transliteração da Língua Chinesa nos países de Língua Inglesa durante maior parte do século XX, usado em vários livros de referência padrão e em todos os livros sobre a China publicados antes de 1979. Foi substituído pelo sistema Hànyǔ Pīnyīn [漢語拼音] na República Popular da China, mas ainda permanece em uso em Taiwan. Foi desenvolvido a partir de um sistema produzido por Thomas Francis Wade na metade do século XIX e chegou à forma final com o Dicionário Chinês-Inglês de Herbert Giles de 1912.

------------------------------------------------

Saudações,
 :D Denis.
"Sem me importar em atacar (combater) e com determinação, remar em direção à ilha marcial (das artes marciais) é uma alegria." (MABUNI, Kenwa)

Offline BigBoy

  • Hero Member
  • *****
  • Mensagens: 2.237
  • Votos: +1/-0
Re:Karate Jutsu para Karate Do
« Resposta #76 Online: Janeiro 31, 2012, 23:06:30 »
   Nossa...rs

   Obrigado pelo "pequeno" esclarecimento, sensei. Mas, me conte uma coisa: você não me respondeu (só pra pegar no pé...rs) a respeito dos japas não especificarem qual arte marcial foram aprender na China e com quem.

   Em meio aos seus alfarrábios apareceu algum "no. de rastreio" onde esses japas andaram por lá?

[]´s
BigBoy