Autor Tópico: Keigo Abe  (Lida 2394 vezes)

Offline Juan (opasto)

  • Sr. Member
  • ****
  • Mensagens: 416
  • Votos: +0/-0
Keigo Abe
« Online: Outubro 15, 2006, 08:01:29 »


Achei este vídeo fantástico de Keigo Abe fazendo Jiyu Kumite com Yahara.
Parece ser o vídeo do "Best of Karate - Kumite".
Nem sabia que existia essa preciosidade.
Alguém sabe onde encontrar?

Essa versão é em espanhol, e se prestarem atenção, entre outras coisas diz que ele era bastante bruto em seus treinos e os alunos tinham muito medo dele. Também diz que ele batia na cara durante os treinos, e que quando ele chegava no dojo várias pessoas se trocavam e voltavam para casa. Ainda diz que nos campeonatos não controlava os golpes e por isso nunca se saiu bem.

Se isso tudo for verdade o Yahara teve em quem se inspirar.
OSS!
Juan Claudio Martin

Offline katsumoto

  • Hero Member
  • *****
  • Mensagens: 2.936
  • Votos: +1/-19
Keigo Abe
« Resposta #1 Online: Outubro 15, 2006, 09:33:53 »
Caro Opasto,

Parece que o Sensei Abe foi tudo isso mesmo.
Apesar dele ter um Karate considerado feio, era muito forte e tem o respeito de muitos grandes Karatecas do passado.
Foi colega de SEnsei Okuda no Kenshusei e gostava mesmo de espancar os kohai nos treinos.
Yahara Sensei teve como sempai Yano Kenji, esse sim era o terrivel dentro da JKA. Simplesmente odiado por todos, inclusive os japoneses.
KATSUMOTO-Prof. Roberto Sant Anna

Offline Kadosaki

  • Full Member
  • ***
  • Mensagens: 121
  • Votos: +0/-0
    • http://
Keigo Abe
« Resposta #2 Online: Outubro 16, 2006, 11:39:53 »
Sem comentários sobre Sensei Keigo Abe, esse é fantástico, ele é tudo isso e mais alguma coisa.

Sobre o Okuda, no livro " Moving Zen", o autor fala que Okuda jogou um kohai que não queria lutar com ele pela janela da JKA (sic), queria surrar 2 canadenses que não tomavam banho e não lavavam o kimono, e deu uma surra num alemão muito forte que tentou arremessá-lo numa luta.

Além disso, fez muita pressão quando o autor foi fazer exame para shodan, dizendo que se o autor não vencesse seus adversários, o próprio Okuda iria lutar com ele, já que era um dos seus " mentores" dentro da JKA. Também, não deixou o autor deixar um treino com o braço machucado, já que ele tinha colocado o kimono e entrado no dojo.

Vejo todos esses pontos positivamente, pois não se trata de um ambiente de covardia, mas sim de formação de karatecas completos ( exceto pelo evento de jogar o kohai pela janela, a não ser que ele merecesse...).

Sobre o mais animalesco, no livro, o autor cita um cara da Takushoku, que era muito forte e era realmente destestado por todos, pois batia para matar. Infelizmente, ético como o autor é , ele não cita o nome do cidadão, ele o chama por um apelido ( Bullet face, ou Bullet Head, sei lá..)  Talvez seja mesmo o Yano. Talvez o Katsumoto possa confirmar se era mesmo o Yano.

Ponto forte do livro, a surra que o sensei Yaguchi, na época 5. dan, dá em um colega de Okuda em um treino de instrutores para prepará-lo para lecionar fora do japão ( por coincidência chamado Sasaki), assistida por Nakayama sensei, Kanazawa sensei, e a contra gosto, pelo autor.

Offline Juan (opasto)

  • Sr. Member
  • ****
  • Mensagens: 416
  • Votos: +0/-0
Keigo Abe
« Resposta #3 Online: Outubro 16, 2006, 12:12:14 »
Adoro essas histórias.


Para quem interessar o vídeo se chama KUMITE GRANDES MAESTROS JKA 'LA LEYENDA', tem em espanhol ou alemão.

Alem de Abe e Yahara também tem Nakayama, Shoji, Asai, Ueki, Enoeda, Tanaka, Iida, Oishi, Osaka, Senfuka, Naito, Omura y Kawazoe.

Tem pra vender na Kamikaze por 35,56 euros, colocado no Brasil sai por 52.
OSS!
Juan Claudio Martin

Offline katsumoto

  • Hero Member
  • *****
  • Mensagens: 2.936
  • Votos: +1/-19
Keigo Abe
« Resposta #4 Online: Outubro 16, 2006, 13:34:51 »
O cara citado pelo autor de Moving Zen era mesmo o Yano.
 Naquela epoca o treino era muito perigoso mesmo, principalmente para os Ocidentais.
Ouvi de um amigo, 1ºKenshusei Ocidental a terminar o Curso de Instrutores que certa vez mataram um Kenshusei com um mae geri qie simplesmente explodiu o figado do infeliz.O autor da façanha foi um Mestre muito famoso que me reservo o direito de nao revelar o nome,mas que era temido por todos na JKA, inclusive por esse Mestre que agora ensina no Brasil.
NO dia seguinte ao fato, estava estampado no Dojo:
-Fechado por luto. Mr. X faleceu por doença terminal.
Muito interessante.....
Meu pai sempre me dizia:
-Cuidado com os Japs....não são confiaveis...
KATSUMOTO-Prof. Roberto Sant Anna

Offline Simoes

  • Hero Member
  • *****
  • Mensagens: 621
  • Votos: +4/-0
    • http://www.kyokai.com.br
Keigo Abe
« Resposta #5 Online: Outubro 16, 2006, 13:39:12 »
Sobre o sensei Abe tem uma história queo sensei Felipe sempre conta.

Quando foi morar no Japão o sensei Felipe tinha uns 13 anos, na JKA ele ficou amigo de um japones faixa preta de uns 18 ou 19 anos, eles gostavam muito de fazer a aula do sensei Abe e fazer kumite nela, claro que o amigo do sensei Felipe aliviava ele no kumite, não só pela diferença de graduação, como também pela diferença de idade.

Um dia o sensei Abe interrompeu o kumite dos dois e deu a maior bronca no japones, sensei Felipe não entendeu nada da bronca só entendeu a palavra brajiro.

Na volta do kumite o amigo do sensei sentou a porrada nele, o sensei conta que ele ficou todo quebrado, braço, perna, todo. A diferença do corpo de um menino de 13 anos é muito grande para um de 19, com 19 anos você é um homem formado, enquanto que com 13 ainda tem corpo de menino.

Depois dessa surra o amigo do sensei se escondia dele na JKA, nunca mais falou com ele, provavelmente ficou muito envergonhado.

Sensei Felipe só fez mais uma aula do sensei Abe, a do dia seguinte,  nos outros 4 anos dele na JKA, ele disse que o sensei Abe ficou muito surpreso de ver o menino brasileiro, lá denovo no dia seguinte todo quebrado.

Offline Kadosaki

  • Full Member
  • ***
  • Mensagens: 121
  • Votos: +0/-0
    • http://
Keigo Abe
« Resposta #6 Online: Outubro 16, 2006, 14:52:05 »
Talvez um dos mestres mais " humanos" dessa leva, era mesmo o sensei Kanazawa, que aparentemente não batia nos kohais, talvez pela própria grandiosidade de seu Karate.

Até para aceitar desafios o cara tinha classe: ele conta em sua biografia que um havaiano maluco, de mais de 100 kg, o perseguia no Hawai para aceitar um desafio, e ele não queria de jeito nenhum. Chegou a um ponto que o cara o provocou tanto que ele quebrou uma tábua muito grossa no ar para  mostrar ao cara o poder do seu Karatê, quando o cara viu aquilo, desistiu de lutar com ele na hora, e pediu para ser seu aluno. Teve um cara que o desafiou em seu dojo também várias vezes, a ponto dele começar a perder alunos por acharem que ele estava com medo do cara: ele convidou o cara para treinar ( já que ele não poderia aceitar desafios), e depois fez um kumite bem " light" com o cara. Ele fintou o cara com um mae geri no joelho e virou para mawashi na têmpora. O cara ficou vários minutos desmaiado, quando acordou, achou que tivesse sido nocauteado com o chute no joelho...

Offline Juan (opasto)

  • Sr. Member
  • ****
  • Mensagens: 416
  • Votos: +0/-0
Keigo Abe
« Resposta #7 Online: Outubro 16, 2006, 15:22:00 »
O trecho da biografia que Kadosaki se referiu está publicado no site www.budokan.com.br:


Eu me lembro de uma história engraçada. Uma vez fui desafiado por um enorme havaiano que declarava ser 12º Dan em Kajuken-Kenpo e usava uma faixa-dourada - faixas-prateadas aparentemente eram usadas pelos 11º Dans. 'Oh!' respondi eu, e perguntei a ele, 'O que é o Kajuken-Kenpo?' Ele explicou que era uma arte marcial completa, desenvolvida a partir do Judo, Kenpo, etc., e ele queria ver o quão forte eu era. Eu disse que não queria lutar com ele, pois minha filosofia era não enfrentar as pessoas do local pois isso só traria problemas. Se eu ganhasse, qualquer um poderia tornar-se meu inimigo, e se eu perdesse, então minha carreira dentro do Karate estaria acabada. Se eu perdesse, eu nunca voltaria a praticar Karate. Isto é verdade. Então, eu não tinha nada a ganhar de um confronto, e tudo a perder. 'Então, você não tem confiança' ele me disse, e quando eu respondi que tinha confiança, eu acho que ele entendeu.

"Antes dele ir embora, entretanto, ele comprou duas Coca-Colas de uma máquina - na época não havia este tipo de máquina no Japão - e me deu uma. Ele começou a beber e eu olhei para a minha e pensei 'Como eu abro isto?' Ele sabia muito bem o que eu estava ponderando, e tirou a garrafa da minha mão e arrancou a tampinha com os dedos. Eu fiquei muito surpreso e também irritado. Ele estava tentando me humilhar. Então eu resolvi cair na dele e disse, 'Okay. Nós vamos lutar, porque você pensa que eu sou um fraco. Mas antes nós vamos assinar uma declaração de que se eu machucar você, ou se você me machucar, a parte lesada não terá direito à revanche. Você é muito forte e eu não posso fazer o que você acabou de fazer, isso é impossível para mim, mas você não me conhece. Você me mostrou o que é capaz de fazer, agora, antes de lutarmos, deixe-me mostrar o que eu sou capaz de fazer.'

"Então, eu executei o Kanku-Sho, não em velocidade normal, mas mais rápido. Quando terminei ele disse, 'Oh! Muito bem.' Mas eu pude perceber que ele não estava realmente impressionado, então eu disse que iria mostrá-lo mais uma coisa. Peguei no escritório duas tábuas de madeira de 1 polegada de espessura cada e joguei-as para cima com o intuito de quebrar ambas, uma com um chute, outra com um soco ou outro golpe de mão, enquanto elas estavam no ar. Eu costumava fazer isso em demonstrações, e geralmente utilizava uraken e mawashi-geri, e às vezes seiken e mae-geri, o que é muito difícil. Quebrar as tábuas não era minha principal preocupação, mas sim acertar o tempo exato de arremessá-las, pois jogá-las para cima ao mesmo tempo faria com elas caíssem juntas. Minha especialidade era quebrar tábuas no ar, fazendo que a metade de cada uma caísse sobre a outra metade. Este era o meu intuito. Eu tinha feito isso muitas vezes antes, mas essa demonstração não saiu exatamente como planejado.

"Quando as duas tábuas estavam caindo, eu dei um uraken em uma peça, e esta quebrou no ar, caindo uma metade sobre a outra, mas o mawashi-geri não foi tão focado como deveria ter sido, e apesar de eu ter quebrado a tábua em pleno ar, uma metade caiu no chão e a outra voou para dentro do duto de ar-condicionado na parede e desapareceu. Eu não acertei a tábua exatamente no meio, e empurrei um pouco.

&quotO homem ficou realmente impressionado com essa demonstração. Ele pensou que eu tinha intensionalmente feito o que fiz, e desistiu da idéia de levar o desafio adiante. Isso me deixou muito feliz.


KANAZAWA, 10th DAN - Recollections of a Living Karate Legend
OSS!
Juan Claudio Martin