Autor Tópico: Quase uma hora de tortura  (Lida 7396 vezes)

Offline BigBoy

  • Hero Member
  • *****
  • Mensagens: 2.237
  • Votos: +1/-0
Quase uma hora de tortura
« Online: Janeiro 01, 2010, 17:02:11 »
Pessoal,

   Gostaria de debater com os senhores a respeito de algo que
aconteceu.

   Procurando por uma academia em uma nova cidade, um colega
meu assistiu a uma aula de um determinado sensei (5o dan - Goju).

   A aula consistiu na saudação, aquecimento, alongamento e...
kata, com o treino de kata dividido em três partes, TRÊS LONGAS
PARTES: a 1a era a prática de determinado kata; a 2a foi uma
dinâmica envolvendo os movimentos do kata, com o papel do Joe
(o amiguinho invisível contra o qual lutamos) sendo feito por um
ou mais colegas, com o objetivo do aluno compreender melhor
o porquê de determinados movimentos; e a 3a parte foi novamente
a prática do kata. Seguido a isto veio o mokuso (acho que é
assim que se escreve) e a saudação final.

    Teve aluno que nem suado saiu dali da aula.

   Este meu colega escutou o sensei dizer que aquela aula era
uma "aula temática"...
   A impressão que este meu colega teve era de que a aula
não terminava. Era entendiante.

   Eu falei para que ele continuasse a procurar academias, pois
acho muito estranho uma aula de karatê, qualquer aula, não ter
kihon, kata, kumite e saudações. Kumite, o que poderia ser visto
por alguém como algo muito pesado para se ter em cada aula, não
precisaria ser obrigatoriamente só o dyu-kumite. Há variações:
dyu-ippon, ippon-kumite e o sambon-kumite.

   Com a palavra os especialistas...

[]´s
BigBoy
   


Offline katsumoto

  • Hero Member
  • *****
  • Mensagens: 2.935
  • Votos: +1/-19
Re: Quase uma hora de tortura
« Resposta #1 Online: Janeiro 01, 2010, 18:59:10 »
Nao existe MODELO fixo em aulas de Karate.
Ha dias em que eu dou só alongamento....
Procure voltar ali mais vezes, antes de fazer analise final.
KATSUMOTO-Prof. Roberto Sant Anna

Offline PSekiMG

  • Hero Member
  • *****
  • Mensagens: 1.456
  • Votos: +0/-1
  • Não existe atitude ofensiva no Karate ― Shoto.
Re: Quase uma hora de tortura
« Resposta #2 Online: Janeiro 01, 2010, 19:48:08 »
Oss,

Bigboy,

Creio que não haja "especialistas" neste Fórum, mas sim alunos e professores que, de forma mútua, dividem seus conhecimentos, dúvidas e questionamentos em pró da coletividade participante.

-//-

Tendo como base a seqüência de fatos narrados, gostaria apenas de informar que, no meu ponto de vista, a aula daquele Dojo, focada no aprofundamento dos Kata, transcorreu de maneira correta uma vez que a visão dos ensinamentos do Sensei mencionado, ao meu ver, prezava pela correção dos movimentos executados por seus alunos, exemplificando as aplicações e reavaliando posteriormente a assimilação que cada um obteve neste processo.

Ressalto que numa aula como estas, onde o Sensei destina todo o tempo que teria para realizar outros treinamentos, cabe ao aluno se interessar para obter proveito de momentos como estes, onde os movimentos são mais uma vez demonstrados e exemplificados - o que pode parecer monótono aos olhos dos desinteressados.

Meu Sensei, em tempos, costuma dedicar até uma semana inteira com aulas onde o total de duração (um pouco mais longa) decorre em função do aprimoramento dos Kata, algo muito valioso, pois nestes momentos temos maior abertura para solucionarmos nossas dúvidas e exercitar-mos em torno delas até aprendermos.

Há quem não consiga concluir a série Heian, repetindo cada Kata 3 ou 5 vezes, por motivos lógicos: ainda não aprendeu todos (no caso dos iniciantes), precisou "pausar" entre um e outro (o que ocorre com pessoas que ainda estão conquistando resistência física) etc. Entretanto, existem Karatecas que não se importam com o fato de estarem se enganando, realizando as atividades no Dojo com menos de 10% de sua capacidade total - o que de fato não faz descer da testa uma gota de suor. Contudo, aquele que está determinado a aprender não ficará durante as aulas se distraindo com situações alheias; vai se concentrar e procurar aprender o máximo possível naquele momento.

Oss.

Ps.: pode, caro BigBoy, nos explicar o sentido de "aula temática" e dizer, caso não lhe cause problemas, quem é o professor 5º Dan de Goju Ryu que a ministrou?
« Última modificação: Janeiro 01, 2010, 19:51:14 por PSekiMG »
A força física sem respeito nada mais é que força bruta, e para os seres humanos não tem nenhum valor ― Shoto.

Offline BigBoy

  • Hero Member
  • *****
  • Mensagens: 2.237
  • Votos: +1/-0
Re: Quase uma hora de tortura
« Resposta #3 Online: Janeiro 01, 2010, 20:37:02 »
hahaha,

   Releiam o post, por favor.
   Foi um conhecido meu, o qual eu preferi sequer saber em qual local
e qual o nome do sensei e da academia onde o fato ocorreu.

   Como mencionei no post, desta vez convidei os camaradas pra
um "debate".

   "Especialista" é um termo carinhoso que volta e meia usava no
fórum desde 2001 (quando ainda conversávamos lá no UOL).

    Acredito que haja um desequilíbrio quando não se pratica kihon,
kata e kumite em uma aula. Há um compromisso com o condicionamento
físico do aluno. O cara é um médico, um advogado, trabalha 12 h ao
dia e só tem aquele período para praticar karatê. Três aulas por
semana de 1h de duração, sempre contendo estes três elementos
tiram a barriga de qualquer aluno. O professor precisa se lembrar de
que não está num mosteiro, como aquele velhinho de barba branca
ensinando aquela mina do Kill Bill.

   Não acredito que o professor deva ficar esperando
um aluno tomar iniciativas, como sangrar sua mão em
uma sessão de 500 izukis em cada mão no makiwara
depois da aula ou ainda treinar kihon e kumite
sozinho, vendo o sol se por ou as luzes da academia
se apagarem pra ir se trocar e ir embora com a
aparência de Daniel San. De repente, se estivermos
falando de um guri de 14 anos, que iria voltar pra
vila onde a rapaziada está na sinuca, no cigarro e
na bebida, até que esta seria uma opção muito
importante.

   "aula temáticas":
   a) aulas de como se escrever coisas em japonês,
      com o professor tomando 40 minutos de uma
      aula de 60 minutos para isso;
   b) aulas inteiras de alongamento, kata ou kihon
      (normalmente fazendo uma aula de kumite por
      mês);
   c) aulas da história do karatê, de etiqueta ou
      regras no dojo, enfim, que não haja suor, 
      nos mesmos moldes da alínea (a);

   Eu só conheço mais uma arte marcial que faz isso:
KUNG FU. Já vi "mestres" darem três posições a mais
de um kati para os alunos, virarem as costas e
voltarem pro telefone, pro jornal pra Internet, etc
e regressarem somente no final pra dizerem que "tá
tudo errado" e que os alunos terão de praticar de
novo na próxima aula.

   Judô, Jiu-Jitsu, Muay-Thai, capoeira, todos têm:
prática de técnicas, seguida de prática de luta.
Em qualquer aula. Não vejo em nenhuma destas
modalidades a mesma diminuição do número de alunos
que vi no karatê.

[]´s
BigBoy


   



Offline PSekiMG

  • Hero Member
  • *****
  • Mensagens: 1.456
  • Votos: +0/-1
  • Não existe atitude ofensiva no Karate ― Shoto.
Re: Quase uma hora de tortura
« Resposta #4 Online: Janeiro 01, 2010, 20:53:59 »
Oss,

Especialista Bigboy,

Então não estamos a falar do mesmo Karate-do, pois onde - e o que - treino é muito diferente...

Oss.
« Última modificação: Janeiro 01, 2010, 21:00:25 por PSekiMG »
A força física sem respeito nada mais é que força bruta, e para os seres humanos não tem nenhum valor ― Shoto.

Offline yama

  • Hero Member
  • *****
  • Mensagens: 4.615
  • Votos: +11/-0
Re: Quase uma hora de tortura
« Resposta #5 Online: Janeiro 01, 2010, 21:08:35 »
Oss

tbém não entendi muito,bem desde a tarde qdo li no post o ocorrido,se aula foi enfadonha,não é porque o aluno procurava mais ação e não a obteve no dia que o Mestre já havia programado esta aula.

tem dias que só trabalho kata que é chato mesmo,mas pra mim é muito bom,gosto pessoal  e os caras aabam tendo que me aguentar,em compensação suam pra cacete e ficam pedindo para o relógio passar rapido,pelas posturas e repetições.

O Sensei deve ter visto pessoal novo e tbém para não perder o dia mudou toda sua programação,mais leve,para não assutar os ou o novato(s).

Oss
alberto
yama-Alberto S. Almeida

Offline KATASHOTOKAN

  • Hero Member
  • *****
  • Mensagens: 873
  • Votos: +0/-0
  • KARATE-DO só quem pratica sabe a força que tem
Re: Quase uma hora de tortura
« Resposta #6 Online: Janeiro 01, 2010, 21:20:25 »
Oss!
Não devemos julgar o “Pavão” apenas pelos pés.
“O propósito supremo do KARATE-DO não está contido na vitória, nem na derrota de adversários, mas, no aprimoramento do caráter, da personalidade e da honra de seus praticantes."

Fabrício Novaes

  • Visitante
Re: Quase uma hora de tortura
« Resposta #7 Online: Janeiro 01, 2010, 21:25:05 »
 Oss,

     Eu sou da opinião q uma aula só de katá faz parte do treinamento normal de qualquer academia de karate, pois no desenvolvimento de um novo katá q está sendo passado aos alunos é importante sim o ensinamento do EMBUZEN, corrigir detalhes de mãos e posicionamentos na mudança de base e hora exata de entrar o quadril etc, etc....enfim treinamento sério de katá dura até mais de 1 hora se for fazer a vontade e treinar sério.

 Oss.

Offline BigBoy

  • Hero Member
  • *****
  • Mensagens: 2.237
  • Votos: +1/-0
Re: Quase uma hora de tortura
« Resposta #8 Online: Janeiro 01, 2010, 21:37:57 »
   Posso concluir uma coisa destas
respostas: é fato corriqueiro em
vossas academias esta prática,
certo?

   Treinei com sensei Aldo Lubes,
o qual carrega uma bagagem
respeitável nesta lida. Nunca eu
tive uma aula nos cinco anos que
treinei que não houvesse kihon,
kata e kumite. E nem por isso
deixei de assistir fitas com o
Tanaka, aprendi posições do kendô,
histórias da linhagem a qual
pertencia, correções em um nível
exaustivo de detalhes de katas,
técnicas de Judô, etc, tudo em
uma hora, com o kimono molhado no
final, em pleno inverno.

   Mais uma pergunta: quem de vocês,
que entendem ser as aulas temáticas
corriqueiras, tem aula com um mestre
que também é Bacharel em Educação
Física? Não estou perguntando quem
tenha o CREFI, mas sim tenha se
formado em Educação Física.

[]´s
BigBoy

Offline DElia

  • Hero Member
  • *****
  • Mensagens: 535
  • Votos: +0/-0
Re: Quase uma hora de tortura
« Resposta #9 Online: Janeiro 01, 2010, 22:11:34 »
  Posso concluir uma coisa destas
respostas: é fato corriqueiro em
vossas academias esta prática,
certo?

   Treinei com sensei Aldo Lubes,
o qual carrega uma bagagem
respeitável nesta lida. Nunca eu
tive uma aula nos cinco anos que
treinei que não houvesse kihon,
kata e kumite. E nem por isso
deixei de assistir fitas com o
Tanaka, aprendi posições do kendô,
histórias da linhagem a qual
pertencia, correções em um nível
exaustivo de detalhes de katas,
técnicas de Judô, etc, tudo em
uma hora, com o kimono molhado no
final, em pleno inverno.

   Mais uma pergunta: quem de vocês,
que entendem ser as aulas temáticas
corriqueiras, tem aula com um mestre
que também é Bacharel em Educação
Física? Não estou perguntando quem
tenha o CREFI, mas sim tenha se
formado em Educação Física.

[]´s
BigBoy

Prezado Big Boy,
desde 1965 pratico Karatê, há 35 anos sou Professor de Educação Física. O Aldo e eu, somos contemporâneos, ambos conhecemos nossos respectivos trabalhos.
Existem inúmeros métodos para se ensinar Karatê, através de diferentes condutas didáticas, então, necessariamente, para o aprendizado e a evolução no Karatê  não é primordial que o treino tenha no seu conteúdo K, K e K. "Várias receitas com os mesmos ingredientes."
Para todos os alunos, não só para: ... "O cara é um médico, um advogado, trabalha 12 h ao dia e só tem aquele período para praticar karatê. ... visa-se a melhoria do seu Condicionamento Físico e, aí, através do volume e intensidade promove-se diversas qualidades físicas.
Oss

PS. Apenas para exemplificar o que afirmei, em determinado momento do treino executávamos por uma hora, sem intervalo, oi-tzuki tchudan em posição zenkutsu. Então, à partir da repetição deste único movimento de ataque, caso seja:
  • alterado o objetivo/conteúdo através de diferentes comandos: contagem=nível de atenção (intervalos maiores e menores), estímulo emocional=kumitê (cada golpe é para por prá baixo!!!), execução "fracionada"=estudo da técnica (detalhamento: distribuição de carga sobre o pé, direção do quadril, puxada da mão, prumo da coluna, etc.)
  • alterado o ritmo de execução se obterá  um trabalho aeróbio ou anaeróbio;
  • alterada a velocidade ou a intensidade se obterá um trabalho de resistência ou potência muscular;
  • alterada a amplitude do movimento e terá ganho de mobilidade articular;
e assim por diante.[/list]
« Última modificação: Janeiro 02, 2010, 10:49:54 por DElia »
Ricardo

Offline yama

  • Hero Member
  • *****
  • Mensagens: 4.615
  • Votos: +11/-0
Re: Quase uma hora de tortura
« Resposta #10 Online: Janeiro 01, 2010, 23:21:23 »
Oss

sou formado desde 1986,procuro me manter atualizado o máximo possível e faço se for permitido,minhas,as palavras de D'Elia Sensei.

ele mais do respondeu....

o bolo é o mesmo com inúmeras maneiras de se chegar no assado melhor......

já comecei a profetizar qui nem o molusco barbudo  :D :D :D

Oss
alberto
yama-Alberto S. Almeida

Offline Vinteedois

  • Hero Member
  • *****
  • Mensagens: 1.425
  • Votos: +0/-0
  • I don't see dead people!
    • Música e Arte - Blog
Re: Quase uma hora de tortura
« Resposta #11 Online: Janeiro 05, 2010, 07:59:51 »
karate não é pra qualquer um.
DENUNCIE A PEDOFILIA! (disque "100")
www.musicaart.wordpress.com

("às vezes é melhor ficar calado e deixar que pensem que você é um idiota, que abrir a boca e não deixar nenhuma dúvida" - autor desconhecido)

Dan

  • Visitante
Re: Quase uma hora de tortura
« Resposta #12 Online: Janeiro 05, 2010, 09:22:47 »
Prezado BigBoy,

Concordo plenamente com Ricardo D'Elia quando se trata de vários fatores, incluindo aptidão e Condicionamento Físico.

O maior desafio é a educação em geral, atividade física do desporto, particularmente o seu específico, tal como Karatê por exemplo !
O perfil metabólico da atividade física no desporto depende da estrutura temporal do esforço que ele levanta e sua intensidade. Para desenvolver um programa de adequação formal de Karatê, é possível, em um primeiro passo para analisar a estrutura temporal do esforço no Karatê desportivo (luta) e para avaliar, utilizando os parâmetros fisiológicos, a sua intensidade para determinar o perfil metabólico no exemplo do Kata tambem. E claro que o Karatê é um esporte e/ou pratica intensiva acíclico onde tem esforço intermitente "curto prazo", que consiste em alternar ações buscando o desenvolvimento de sistemas de propulsão da força muscular importante do corpo, começa a súbitas etc... e períodos de tremor de menor intensidade na pula-pula dos pés e caminhada lenta em objetivo "Pliometria". O esforço parece mistos, em ambos os sentidos buscando metabolismo anaeróbio e aeróbio. As habilidades principais bioenergéticos, cujo desenvolvimento parece ser necessário para a competição desportiva em Karatê, são considerados.

Karatê é completo é acho que este professor tinha uma ideia em mente para uma aula bem "temático". É óbvio que, quando chegamos pela primeira vez em um Dojo que não vemos Kihon, Kata, Kumite e para nós Perito, Professore, Educador e Praticantes confirmados parece normal. Mas para alguém que procura uma sensação diferente que não significa que o única aula onde ele participou não seja Kata unicamente parece difícil... Eu acho que este Professore deveria ter outro aula de Kihon, Kata e Kumite, com certeza !...
O mais difícil durante um treino ou formação, os Professores são freqüentemente solicitados a realizar uma manifestação de um gesto ou uma sequência de gestos. O objetivo de tal realização é mostrar os alunos os elementos visuais do padrão motor em questão para que eles possam aprender ou melhorar. Isso é chamado de Ensino de demonstração e/ou "Pedagogia de demonstração".

Ricardo e Roberto satisfaz plenamente, não existe um método de ensino único, mas muitos. Que o que o torna rico e original em todos nós. A coisa mais importante é ter algum divertimento na prática e aceitar a diferença da "Educação" de cada Professore, porque é nessa diferença e aceitação do outro em uma troca entre um ou vários parceiros que nós compreendemos a dimensão do Karatê ou qualquer outro disciplina desportiva...


Ossss.....
« Última modificação: Janeiro 05, 2010, 12:11:32 por Dan »

Offline Ibere

  • Newbie
  • *
  • Mensagens: 1
  • Votos: +0/-0
Re: Quase uma hora de tortura
« Resposta #13 Online: Fevereiro 26, 2010, 01:56:43 »
olá a todos...
sou relativamente novo aqui no forum mas já vou dar os meus pitacos

treino a 7 anos com o sensei Moritoshi Nakaema (não sei qtos de vcs o conhecem)
ele aprendeu diretamente com o Akamine (o pai do karate no brasil)

nesses 7 anos tive diversos tipos de treinos... inclusive aulas, como definiu o bigboy, temáticas, as quais aliais acho mais importantes que aulas só de kumite, uma vez que sem essas aulas "chatas" eu nunca teria aprendido sobre a história do karate. Além disso nunca saberia quem foi o Motobo!

constantemente tenho aulas apenas com kata, e digo uma coisa, um kata bem feito faz vc suar mais que 30 min de kumite! faça um sanchin ou o proprio senchin do jeito realmente certo e depois me fale o q sente.

acho q seu amigo esperava uma aula de karatê estilo karate kid, ou alguma outra arte marcial (o karate é uma arte e não apenas uma luta! envolve uma filosofia e não só bater).

acho q é isso
desculpem se falei muita besteira

arigato

Offline Lourival Silva

  • Sr. Member
  • ****
  • Mensagens: 429
  • Votos: +0/-0
Re: Quase uma hora de tortura
« Resposta #14 Online: Fevereiro 26, 2010, 09:03:09 »
Uma coisa que não podemos esquecer é que existem datas para os exames de troca de faixa.

Eu sei que não devemos treinar apenas pensando no exame e sim nos beneficios, ao menos comigo é assim.

Logo, se eu fosse o sensei iria ficar muito p#$o se no dia do exame os alunos (meu caso rsrsrs) ficassem perdidos nos movimentos, fazendo tudo torto. Quando você olha pro aluno executando o kata e não dá para saber se a base é zenkutso dachi ou kokutso dachi deve haver algo de muito errado.

Portanto, pré requisito para exame tem que ser praticado com afinco.

Se o professor conseguir corrigir os detalhes e os alunos se empenharem com certeza sobra tempo para algo mais.

Minha opinião.

OSS!